Múmia

Print Friendly, PDF & Email

Múmia (Cruz e Souza)

Múmia de sangue e lama e terra e treva,
Podridão feita deusa de granito,
Que surges dos mistérios do Infinito
Amamentada na lascívia de Eva.

Tua boca voraz se farta e ceva
Na carne e espalhas o terror maldito,
O grito humano, o doloroso grito
Que um vento estranho para és limbos leva.

Báratros, criptas, dédalos atrozes
Escancaram-se aos tétricos, ferozes
Uivos tremendos com luxúria e cio…

Ris a punhais de frígidos sarcasmos
E deve dar congélidos espasmos
O teu beijo de pedra horrendo e frio!…

Publicações relacionadas

O tonel do ódio O tonel do ódio (Charles Pierre Baudelaire) Tradução de Alvaro Reis O ...
No corpo feminino, esse retiro No corpo feminino, esse retiro (Carlos Drummond de Andrade) No corpo feminino...
Quase um réquiem Quase um réquiem (Mario Benedetti) Do livro "...
Marcha de quarta-feira de cinz... Marcha de quarta-feira de cinzas (Vinicius de Moraes Acabou nosso carnaval ...

Deixe uma resposta