A morte chega cedo

Print Friendly, PDF & Email

A morte chega cedo (Fernando Pessoa)

A morte chega cedo,
Pois breve é toda vida
O instante é o arremedo
De uma coisa perdida.

O amor foi começado,
O ideal não acabou,
E quem tenha alcançado
Não sabe o que alcançou.

E tudo isto a morte
Risca por não estar certo
No caderno da sorte
Que Deus deixou aberto.

Publicações relacionadas

A giganta A giganta (Charles Pierre Baudelaire) ...
Nacos de Nuvem Nacos de Nuvem (Vladmir Maiakowski) No céu flutuavam trapos de nuvem - quat...
As coisas As coisas (Arnaldo Antunes) As coisas têm peso, massa, volume, tamanho,...
A Minha Estrela A Minha Estrela (Augusto dos Anjos) A meu irmão Aprígio A. E eu disse - Va...

Deixe uma resposta