A morte chega cedo

Print Friendly, PDF & Email

A morte chega cedo (Fernando Pessoa)

A morte chega cedo,
Pois breve é toda vida
O instante é o arremedo
De uma coisa perdida.

O amor foi começado,
O ideal não acabou,
E quem tenha alcançado
Não sabe o que alcançou.

E tudo isto a morte
Risca por não estar certo
No caderno da sorte
Que Deus deixou aberto.

Publicações relacionadas

Poesia 1970 Poesia 1970 (Paulo Leminski) Tudo o que eu faço Alguém em mim que eu desprez...
A alcova A alcova (Fernando Pessoa) Desce não se por onde Até não me encontrar. ...
O ter deveres, que prolixa coi... O ter deveres, que prolixa coisa! (Álvaro de Campos) O ter deveres, que proli...
Garoto Garoto (Vladmir Maiakowski) Tradução de E. Carrer...

Deixe uma resposta