A morte chega cedo

Print Friendly, PDF & Email

A morte chega cedo (Fernando Pessoa)

A morte chega cedo,
Pois breve é toda vida
O instante é o arremedo
De uma coisa perdida.

O amor foi começado,
O ideal não acabou,
E quem tenha alcançado
Não sabe o que alcançou.

E tudo isto a morte
Risca por não estar certo
No caderno da sorte
Que Deus deixou aberto.

Publicações relacionadas

Cristo de Bronze Cristo de Bronze (Cruz e Souza) Ó Cristos de ouro, de marfim, de prata, ...
Poema começado no fim Poema começado no fim (Adélia Prado) Um corpo quer outro corpo. Uma alma que...
Vozes de um Túmulo Vozes de um Túmulo (Augusto dos Anjos) Morri! E a Terra — a mãe comum — o br...
Há Poetas que são Artistas Há Poetas que são Artistas (Alberto Caeiro) ...

Deixe uma resposta