Subversiva

Print Friendly, PDF & Email

Subversiva (Ferreira Gullar)

A poesia
quando chega
não respeita nada.
Nem pai nem mãe.
Quando ela chega
de qualquer de seus abismos
desconhece o Estado e a Sociedade Civil
desrespeita o Código de Águas
relincha
como puta
nova
em frente ao Palácio da Alvorada.

E só depois
reconsidera: beija
nos olhos os que ganham mal
embala no colo
os que têm sede de felicidade
e de justiça

E promete incendiar o país.

Publicações relacionadas

Últimas lamentaciones de Abel ... Últimas lamentaciones de Abel Martín (Antonio Machado) Hoy, con la primavera,...
Flor de Açucena Flor de Açucena (Thiago de Mello Quando acariciei o teu dorso, campo de tri...
A educação pela pedra A educação pela pedra (João Cabral de Melo Neto) Uma educação pela pedra: por...
Insânia de um Simples Insânia de um Simples (Augusto dos Anjos) Em cismas patológicas insanas, É-m...

Deixe uma resposta