Subversiva

Print Friendly, PDF & Email

Subversiva (Ferreira Gullar)

A poesia
quando chega
não respeita nada.
Nem pai nem mãe.
Quando ela chega
de qualquer de seus abismos
desconhece o Estado e a Sociedade Civil
desrespeita o Código de Águas
relincha
como puta
nova
em frente ao Palácio da Alvorada.

E só depois
reconsidera: beija
nos olhos os que ganham mal
embala no colo
os que têm sede de felicidade
e de justiça

E promete incendiar o país.

Publicações relacionadas

Primeiros Conselhos do Outono Primeiros Conselhos do Outono (Antero de Quental) Ouve tu, meu cansado coraca...
Perguntas ao acaso (2) Perguntas ao acaso (2) (Mario Benedetti) Do ...
Hoje de Manhã Hoje de Manhã (Alberto Caeiro) Hoje de manhã saí muito cedo, Por ter ...
Madrigal al billete de tranvía... Madrigal al billete de tranvía (Rafael Alberti) Adonde el viento, impávido...

Deixe uma resposta