Subversiva

Print Friendly, PDF & Email

Subversiva (Ferreira Gullar)

A poesia
quando chega
não respeita nada.
Nem pai nem mãe.
Quando ela chega
de qualquer de seus abismos
desconhece o Estado e a Sociedade Civil
desrespeita o Código de Águas
relincha
como puta
nova
em frente ao Palácio da Alvorada.

E só depois
reconsidera: beija
nos olhos os que ganham mal
embala no colo
os que têm sede de felicidade
e de justiça

E promete incendiar o país.

Publicações relacionadas

Maria Maria (Antero de Quental) Tenho cantado esperancas... Tenho falado d'amores...
É Noite É Noite (Alberto Caeiro) É noite. A noite é muito escura. Numa casa a uma gra...
Pero Vaz de Caminha Pero Vaz de Caminha (Oswald de Andrade) a descoberta Seguimos nosso caminho ...
Carta ao Acaso Carta ao Acaso (Paulo Leminski) a carta do baralho grande gilete corta sem ...

Deixe uma resposta