Zero

Print Friendly, PDF & Email

Zero (Mario Benedetti)

Do livro “Perguntas ao acaso”
Tradução de Julio Luís Gehlen

Meu saldo diminui a cada dia
que digo a cada dia
a cada minuto a cada
golfada de ar

mexo meus dedos como se pudessem
agarrar ou agarrar-me
mas meu saldo diminui

mexo meus olhos como se pudessem
entender ou entender-me
mas meu saldo diminui

mexo meus pés qual se pudessem
carregar ou carregar-me
mas meu saldo diminui

meu saldo diminui a cada dia
que digo a cada dia
a cada minuto a cada
golfada de ar

e tudo porque esse
cupincha da morte
o zero
está esperando.

Publicações relacionadas

História de vampiros História de vampiros (Mario Benedetti) Do li...
Cinco horas Cinco horas (Mário de Sá Carneiro) Minha mesa no Café, Quero-lhe tanto... ...
Permanência Permanência (Adolfo Casais Monteiro) Não peçam aos poetas um caminho. O poeta...
À Mesa À Mesa (Augusto dos Anjos) Cedo à sofreguidão do estômago. É a hora De comer...

Deixe uma resposta