Zero

Print Friendly, PDF & Email

Zero (Mario Benedetti)

Do livro “Perguntas ao acaso”
Tradução de Julio Luís Gehlen

Meu saldo diminui a cada dia
que digo a cada dia
a cada minuto a cada
golfada de ar

mexo meus dedos como se pudessem
agarrar ou agarrar-me
mas meu saldo diminui

mexo meus olhos como se pudessem
entender ou entender-me
mas meu saldo diminui

mexo meus pés qual se pudessem
carregar ou carregar-me
mas meu saldo diminui

meu saldo diminui a cada dia
que digo a cada dia
a cada minuto a cada
golfada de ar

e tudo porque esse
cupincha da morte
o zero
está esperando.

Publicações relacionadas

A morte de vênus A morte de vênus (Augusto dos Anjos) Velhos berilos, pálidas cortinas, Morno...
Tratado geral das grandezas do... Tratado geral das grandezas do ínfimo (Manoel de Barros) A poesia está guarda...
Bem no Fundo Bem no Fundo (Paulo Leminski) No fundo, no fundo, bem lá no fundo, a gent...
Thamar y Amnón Thamar y Amnón (Federico Garcia Lorca) A las cinco de la tarde. Eran las ci...

Deixe uma resposta