Zero

Print Friendly, PDF & Email

Zero (Mario Benedetti)

Do livro “Perguntas ao acaso”
Tradução de Julio Luís Gehlen

Meu saldo diminui a cada dia
que digo a cada dia
a cada minuto a cada
golfada de ar

mexo meus dedos como se pudessem
agarrar ou agarrar-me
mas meu saldo diminui

mexo meus olhos como se pudessem
entender ou entender-me
mas meu saldo diminui

mexo meus pés qual se pudessem
carregar ou carregar-me
mas meu saldo diminui

meu saldo diminui a cada dia
que digo a cada dia
a cada minuto a cada
golfada de ar

e tudo porque esse
cupincha da morte
o zero
está esperando.

Publicações relacionadas

Canção – XXXVIII (T) Canção - XXXVIII (Antonio Machado) ...
Solitário Solitário (Augusto dos Anjos) Como um fantasma que se refugia Na solidão da ...
Afetos Afetos (Augusto dos Anjos) Bendito o amor que infiltra n’alma o enleio E san...
Ultimo Credo Ultimo Credo (Augusto dos Anjos) Como ama o homem adúltero o adultério E o é...

Deixe uma resposta