A vida esse parêntese

Print Friendly, PDF & Email

A vida esse parêntese (Mario Benedetti)

Do livro “Perguntas ao acaso”
Tradução de Julio Luís Gehlen

Quando o não-ser fica em suspense
abre-se a vida esse parêntese
com um gemido universal de fome

somos famintos desde o vamos
e o seremos até o vamo-nos
depois de muito descobrir
e brevemente amar e acostumar-nos
à falida eternidade

a vida se encerra em vida
a vida esse parêntese
também se fecha incorre
em um gemido universal
o último

e então somente então
o não-ser segue para sempre.

Publicações relacionadas

Desejos Vãos Desejos Vãos (Florbela Espanca) Eu queria ser o Mar de altivo porte Que ri ...
Preceito 07 Preceito 07 (Gregório de Matos) Já pelo sétimo entrando sem alterar o ton...
Horas vivas Horas vivas (Machado de Assis) Noite: abrem-se as flores . . . Que esplend...
Pobres das Flores Pobres das Flores (Alberto Caeiro) ...

Deixe uma resposta