A vida esse parêntese

Print Friendly, PDF & Email

A vida esse parêntese (Mario Benedetti)

Do livro “Perguntas ao acaso”
Tradução de Julio Luís Gehlen

Quando o não-ser fica em suspense
abre-se a vida esse parêntese
com um gemido universal de fome

somos famintos desde o vamos
e o seremos até o vamo-nos
depois de muito descobrir
e brevemente amar e acostumar-nos
à falida eternidade

a vida se encerra em vida
a vida esse parêntese
também se fecha incorre
em um gemido universal
o último

e então somente então
o não-ser segue para sempre.

Publicações relacionadas

La Saeta La Saeta (Antonio Machado) ¿Quién me presta una escalera, (Quem me empres...
Mi Vida Entera Mi Vida Entera (Jorge Luis Borges) Aqui otra vez, los labios memorables, unic...
Timidez Timidez (Cecília Meireles) Basta-me um pequeno gesto, feito de longe e de l...
Sou um caso perdido Sou um caso perdido (Mario Benedetti) Do liv...

Deixe uma resposta