Lágrimas Ocultas

Print Friendly, PDF & Email

Lágrimas Ocultas (Florbela Espanca)

Se me ponho a cismar em outras eras
Em que ri e cantei, em que era q’rida,
Parece-me que foi noutras esferas,
Parece-me que foi numa outra vida…

E a minha triste boca dolorida
Que dantes tinha o rir das Primaveras,
Esbate as linhas graves e severas
E cai num abandono de esquecida!

E fico, pensativa, olhando o vago…
Toma a brandura plácida dum lago
O meu rosto de monja de marfim…

E as lágrimas que choro, branca e calma,
Ninguém as vê brotar dentro da alma!
Ninguém as vê cair dentro de mim!

Publicações relacionadas

Rebelado Rebelado (Augusto dos Anjos) Ri tua face um riso acerbo e doente, ...
Aurora morta, foge! Aurora morta, foge! (Augusto dos Anjos) Soneto Aurora morta, foge! Eu busc...
N’augusta solidão dos cemitéri... N’augusta solidão dos cemitérios (Augusto dos Anjos) Soneto N’augusta soli...
Tietê Tietê (Mário de Andrade) Era uma vez um rio... Porém os Borbas-Gatos dos ult...

Deixe uma resposta