Lágrimas Ocultas

Print Friendly, PDF & Email

Lágrimas Ocultas (Florbela Espanca)

Se me ponho a cismar em outras eras
Em que ri e cantei, em que era q’rida,
Parece-me que foi noutras esferas,
Parece-me que foi numa outra vida…

E a minha triste boca dolorida
Que dantes tinha o rir das Primaveras,
Esbate as linhas graves e severas
E cai num abandono de esquecida!

E fico, pensativa, olhando o vago…
Toma a brandura plácida dum lago
O meu rosto de monja de marfim…

E as lágrimas que choro, branca e calma,
Ninguém as vê brotar dentro da alma!
Ninguém as vê cair dentro de mim!

Publicações relacionadas

O anel de vidro O anel de vidro (Manuel Bandeira) Aquele pequenino anel que tu me deste, – A...
Da Sedução dos Anjos Da Sedução dos Anjos (Bertold Brecht) Anjos seduzem-se: nunca ou a matar. Pu...
um bom poema um bom poema (Paulo Leminski) leva anos cinco jogando bola, mais cinco estu...
Minha Árvore Minha Árvore (Augusto dos Anjos) Olha: É um triângulo estéril de ínvia estrad...

Deixe uma resposta