Canto da estrada real – 01

Print Friendly, PDF & Email

Canto da estrada real – 01 (Walt Whitman)

Tradução de Mário Ferreira dos Santos

A pé, alegre, sigo pela estrada real,
Saudável e livre, o mundo diante de mim,
O amplo caminho da terra morena à minha frente me conduz aonde me agrada.
Daqui por diante não interrogarei o destino, eu mesmo serei o destino.
Darei um fim às queixas de quartos cerrados, de bibliotecas de críticas plangentes,
Forte e contente, sigo pela estrada real.
A terra, e isto basta.
Não desejo que as constelações estivessem mais próximas,
Sei que elas estão muito bem onde estão,
(Até aqui trago minha antiga e venturosa carga.
Levo-os, homens e mulheres, levo-os comigo aonde quer que eu vá.
Juro que me é impossível deles me desfazer,
Eu deles me impregnei, em troca quero impregná-los).

Publicações relacionadas

Poema começado no fim Poema começado no fim (Adélia Prado) Um corpo quer outro corpo. Uma alma que...
O analfabeto político O analfabeto político (Bertold Brecht) "O pior analfabeto é o analfabeto polí...
Por Que Mentias? Por Que Mentias? (Álvares de Azevedo) Por que mentias leviana e bela? Se min...
Vai pelo cais fora um bulício ... Vai pelo cais fora um bulício de chegada próxima (Álvaro de Campos) Vai pelo ...

Deixe uma resposta