Canto da estrada real – 01

Print Friendly, PDF & Email

Canto da estrada real – 01 (Walt Whitman)

Tradução de Mário Ferreira dos Santos

A pé, alegre, sigo pela estrada real,
Saudável e livre, o mundo diante de mim,
O amplo caminho da terra morena à minha frente me conduz aonde me agrada.
Daqui por diante não interrogarei o destino, eu mesmo serei o destino.
Darei um fim às queixas de quartos cerrados, de bibliotecas de críticas plangentes,
Forte e contente, sigo pela estrada real.
A terra, e isto basta.
Não desejo que as constelações estivessem mais próximas,
Sei que elas estão muito bem onde estão,
(Até aqui trago minha antiga e venturosa carga.
Levo-os, homens e mulheres, levo-os comigo aonde quer que eu vá.
Juro que me é impossível deles me desfazer,
Eu deles me impregnei, em troca quero impregná-los).

Publicações relacionadas

Pobres das Flores Pobres das Flores (Alberto Caeiro) ...
As atas do rancor As atas do rancor (Mario Benedetti) Do livro...
Ao Entardecer Ao Entardecer (Alberto Caeiro) De O...
A Guerra A Guerra (Alberto Caeiro) A guerra que aflige com os seus esquadrões o M...

Deixe uma resposta