As atas do rancor

Print Friendly, PDF & Email

As atas do rancor (Mario Benedetti)

Do livro “Perguntas ao acaso”
Tradução de Julio Luís Gehlen

Pouco a pouco o rancor vai me invadindo
animaliza minha anima lisa
me empresta garras iras maldições
me sobressalta a paciência boba
dá brilho ao ódio como para abutres
me põe em áscuas e ascos

abro o livro e aprendo
a história do rancor seus pormenores
seus desenvolvimentos e suas pautas
seus herdados instrumentos

mesmo assim me espera uma surpresa
quando fecho o breviário
fica entre minhas mãos
uma beira desarmada e desalmada
um rastro tão tedioso
sem prestígio e sem medula

então me reduzo ao que sou
vazio de ferramentas culturais
fecho os olhos mas
que vou fazer
não sonho com perdões.

Publicações relacionadas

Poema começado no fim Poema começado no fim (Adélia Prado) Um corpo quer outro corpo. Uma alma que...
Guerra Guerra (Augusto dos Anjos) Guerra é esforço, é inquietude, é ânsia, é transpo...
Muito mais grave Muito mais grave (Mario Benedetti) Tradução Todas as partes de minha vida ...
A ponte A ponte (Mario Benedetti) Do livro "Pergunt...

Deixe uma resposta