A Esperança

Print Friendly, PDF & Email

A Esperança (Augusto dos Anjos)

A Esperança não murcha, ela não cansa,
Também como ela não sucumbe a Crença.
Vão-se sonhos nas asas da Descrença,
Voltam sonhos nas asas da Esperança.

Muita gente infeliz assim não pensa;
No entanto o mundo é uma ilusão completa,
E não é a Esperança por sentença
Este laço que ao mundo nos manieta?

Mocidade, portanto, ergue o teu grito,
Sirva-te a crença de fanal bendito,
Salve-te a glória no futuro – avança!

E eu, que vivo atrelado ao desalento,
Também espero o fim do meu tormento,
Na voz da morte a me bradar: descansa!

Publicações relacionadas

Preceito 04 Preceito 04 (Gregório de Matos) Vejo, que morrem de fome os Pais daquelas...
Lacrimae rerum Lacrimae rerum (Antero de Quental) ...
Vive Vive (Alberto Caeiro) Vive, dizes, no presente, Vive só no presente. Mas ...
A caridade A caridade (Augusto dos Anjos) No universo a caridade Em contraste ao vício ...

Deixe uma resposta