A Esperança

Print Friendly, PDF & Email

A Esperança (Augusto dos Anjos)

A Esperança não murcha, ela não cansa,
Também como ela não sucumbe a Crença.
Vão-se sonhos nas asas da Descrença,
Voltam sonhos nas asas da Esperança.

Muita gente infeliz assim não pensa;
No entanto o mundo é uma ilusão completa,
E não é a Esperança por sentença
Este laço que ao mundo nos manieta?

Mocidade, portanto, ergue o teu grito,
Sirva-te a crença de fanal bendito,
Salve-te a glória no futuro – avança!

E eu, que vivo atrelado ao desalento,
Também espero o fim do meu tormento,
Na voz da morte a me bradar: descansa!

Publicações relacionadas

A blusa amarela A blusa amarela (Vladmir Maiakowski) Do veludo de minha voz Umas calças pret...
A um epiléptico A um epiléptico (Augusto dos Anjos) Perguntarás quem sou?! - ao suor que te u...
Poeta à moda antiga Poeta à moda antiga (Thiago de Mello Por Miguel Sanches Neto Consagrado, p...
Galo Galo Galo Galo (Ferreira Gullar) O galo no salão quieto. Galo galo de ala...

Deixe uma resposta