A Esperança

Print Friendly, PDF & Email

A Esperança (Augusto dos Anjos)

A Esperança não murcha, ela não cansa,
Também como ela não sucumbe a Crença.
Vão-se sonhos nas asas da Descrença,
Voltam sonhos nas asas da Esperança.

Muita gente infeliz assim não pensa;
No entanto o mundo é uma ilusão completa,
E não é a Esperança por sentença
Este laço que ao mundo nos manieta?

Mocidade, portanto, ergue o teu grito,
Sirva-te a crença de fanal bendito,
Salve-te a glória no futuro – avança!

E eu, que vivo atrelado ao desalento,
Também espero o fim do meu tormento,
Na voz da morte a me bradar: descansa!

Publicações relacionadas

O Próprio Ser eu Canto O Próprio Ser eu Canto (Walt Whitman) O próprio se eu canto: canto a pessoa...
Coração Couraça Coração Couraça (Mario Benedetti) Do livro "...
Sonhos de Aninha Sonhos de Aninha (Cora Coralina) Que a mesa esteja sempre posta para a oferta...
Gênio das trevas lúgubres, aco... Gênio das trevas lúgubres, acolhe-me (Augusto dos Anjos) Soneto Gênio das ...

Deixe uma resposta