A um mártir

Print Friendly, PDF & Email

A um mártir (Augusto dos Anjos)

Alma em cilício, vem, enrista a clava,
Brande no seio o espículo e o acínace
E unjam-te o seio que d’auroras nasce
Sangrentas bênçãos eclodindo em lava!

Nossa Senhora te unge a face escrava,
Cristo saudoso te abençoa a face
De monja – violeta que do Céu baixasse
À Virgem Santa Natureza brava!

Vais caminhando para a terra extrema,
Rosa dos Sonhos! e o teu galho trema
E a tua crença, o desespero mate-a…

E em nuvens d’ouro ascende enfim ao plaustro
Da Neve Eterna, estrela azul do claustro,
Levada para o Azul da Via-Látea!

Publicações relacionadas

Adélia por Adélia Adélia por Adélia (Adélia Prado) "Uma das mais remotas experiências poéticas ...
O cônego Filipe O cônego Filipe (Álvares de Azevedo) O cônego Filipe! Ó nome eterno! Cinzas...
Façamos um trato Façamos um trato (Mario Benedetti) Tradução Companheira você sabe que po...
New York New York (Federico Garcia Lorca) (Oficina y denuncia) Debajo de las multi...

Deixe uma resposta