A um mártir

Print Friendly, PDF & Email

A um mártir (Augusto dos Anjos)

Alma em cilício, vem, enrista a clava,
Brande no seio o espículo e o acínace
E unjam-te o seio que d’auroras nasce
Sangrentas bênçãos eclodindo em lava!

Nossa Senhora te unge a face escrava,
Cristo saudoso te abençoa a face
De monja – violeta que do Céu baixasse
À Virgem Santa Natureza brava!

Vais caminhando para a terra extrema,
Rosa dos Sonhos! e o teu galho trema
E a tua crença, o desespero mate-a…

E em nuvens d’ouro ascende enfim ao plaustro
Da Neve Eterna, estrela azul do claustro,
Levada para o Azul da Via-Látea!

Publicações relacionadas

De Que Serve a Bondade De Que Serve a Bondade (Bertold Brecht) 1 De que serve a bondade Se os bons...
Ora até que enfim…, perf... Ora até que enfim..., perfeitamente... (Álvaro de Campos) Ora até que enfim.....
Inviation au Voyage Inviation au Voyage (Charles Pierre Baudelaire) Tradução de Felipe D’Olivei...
Canta no espaço a passarada e ... Canta no espaço a passarada e canta - Soneto (Augusto dos Anjos) Canta no esp...

Deixe uma resposta