Madrugada

Print Friendly, PDF & Email

Madrugada (Adolfo Casais Monteiro)

Ah! Este poema das madrugadas, que há tanto tempo enrodilhado
num sem-fim de estados de alma
me obcecava, tirânico,
sem se deixar fixar! …

Madrugada… e esta solidão crescendo,
esta nostalgia maior, e maior, e maior,
de não se sabe o quê
— nunca se sabe o quê…
que haverá nestas horas sozinhas e geladas,
para assim trazer à tona as indefinidas mágoas,
as saudades e as ânsias sem motivo
— de que não sabemos o motivo?…

Vieram as saudades do tempo de menino
— ou dum paraíso lá não sei onde?
Ah! que fantasmas pesaram sobre os ombros,
que sombras desceram sobre os olhos,
que tristeza maior fez maior o silêncio?
A que vem esse calor distante e absorto,
esse calar, esses modos distraídos?
Meu pobre sonhador! a esta hora
porventura se desvenda a Suprema Inutilidade?
e a definitiva ilusão de tantos gestos?

Interroga, interroga…
vai sonhando,
sem que saibas sequer o caminho que segues
vai, distraído e pensativo,
alheio de hoje,
vivendo já o derradeiro segundo…

Que a madrugada tem o pungir das agonias,
mas alheio, como o fim dum pesadelo…

Publicações relacionadas

Muerto de amor Muerto de amor (Federico Garcia Lorca) A Margarita ...
Arraiada Arraiada (Mário de Andrade) Manhãnzinha A italiana vem na praia do ribeirão....
Senhora Dona Bahia Senhora Dona Bahia (Gregório de Matos) Senhora Dona Bahia, nobr...
Cruzou por mim, veio ter comig... Cruzou por mim, veio ter comigo, numa rua da Baixa (Álvaro de Campos) Cruzou ...

Deixe uma resposta