Trindade

Print Friendly, PDF & Email

Trindade (Álvares de Azevedo)

A vida é uma planta misteriosa
Cheia d’espinhos, negra de amarguras
Onde só abrem duas flores puras –
Poesia e amor…

E a mulher… é a nota suspirosa
Que treme d’alma a corda estremecida,
É fada que nos leva além da vida
Pálidos de langor!

A poesia é a luz da mocidade,
O amor é o poema dos sentidos,
A febre dos momentos não dormidos
E o sonhar da ventura…

Voltai, sonhos de amor e de saudade!
Quero ainda sentir arder-me o sangue,
Os olhos turvos, o meu peito langue,
E morrer de ternura!

Publicações relacionadas

Atravessa esta paisagem o meu ... Atravessa esta paisagem o meu sonho (Fernando Pessoa) Atravessa esta paisagem...
Preceito 02 Preceito 02 (Gregório de Matos) No que toca aos juramentos, de mim para m...
Os Astros Íntimos Os Astros Íntimos (Thiago de Mello Consulto a luz dos meus astros, cada qua...
A alcova A alcova (Fernando Pessoa) Desce não se por onde Até não me encontrar. ...

Deixe uma resposta