Aurora

Print Friendly, PDF & Email

Aurora (Adolfo Casais Monteiro)

A poesia não é voz – é uma inflexão.
Dizer, diz tudo a prosa. No verso
nada se acrescenta a nada, somente
um jeito impalpável dá figura
ao sonho de cada um, expectativa
das formas por achar. No verso nasce
à palavra uma verdade que não acha
entre os escombros da prosa o seu caminho.
E aos homens um sentido que não há
nos gestos nem nas coisas:

vôo sem pássaro dentro.

Publicações relacionadas

Clamando… Clamando... (Cruz e Souza) Bárbaros vãos, dementes e terríveis Bo...
Quando Está Frio Quando Está Frio (Alberto Caeiro) Quando está frio no tempo do frio, para mim...
Poema tirado de uma notícia de... Poema tirado de uma notícia de jornal (Manuel Bandeira) João gostoso era carr...
À Beira do Abismo e do Infinit... À Beira do Abismo e do Infinito (Castro Alves) A celeste Africana, a Virgem-N...

Deixe uma resposta