Aurora

Print Friendly, PDF & Email

Aurora (Adolfo Casais Monteiro)

A poesia não é voz – é uma inflexão.
Dizer, diz tudo a prosa. No verso
nada se acrescenta a nada, somente
um jeito impalpável dá figura
ao sonho de cada um, expectativa
das formas por achar. No verso nasce
à palavra uma verdade que não acha
entre os escombros da prosa o seu caminho.
E aos homens um sentido que não há
nos gestos nem nas coisas:

vôo sem pássaro dentro.

Publicações relacionadas

A carniça A carniça (Charles Pierre Baudelaire) Tradução de Álvaro Reis Lembras-te...
Bate a luz no cimo… Bate a luz no cimo... (Fernando Pessoa) Bate a luz no cimo Da montanha, vê....
Mistérios de um Fósforo Mistérios de um Fósforo (Augusto dos Anjos) Pego de um fósforo. Olho-o. Olh...
Vintém de Cobre Vintém de Cobre (Cora Coralina) (Freudian...

Deixe uma resposta