Aurora

Print Friendly, PDF & Email

Aurora (Adolfo Casais Monteiro)

A poesia não é voz – é uma inflexão.
Dizer, diz tudo a prosa. No verso
nada se acrescenta a nada, somente
um jeito impalpável dá figura
ao sonho de cada um, expectativa
das formas por achar. No verso nasce
à palavra uma verdade que não acha
entre os escombros da prosa o seu caminho.
E aos homens um sentido que não há
nos gestos nem nas coisas:

vôo sem pássaro dentro.

Publicações relacionadas

Ironia de lágrimas Ironia de lágrimas (Cruz e Souza) Junto da Morte é que floresce a Vida! Anda...
A la muerte de Rubén Darío A morte de Rubén Darío (Antonio Machado) Si era toda en tu verso la armonía d...
Sonhos de Aninha Sonhos de Aninha (Cora Coralina) Que a mesa esteja sempre posta para a oferta...
Profissão de febre Profissão de febre (Paulo Leminski) Quando chove, Eu chovo, Faz sol, Eu fa...

Deixe uma resposta