Aurora

Print Friendly, PDF & Email

Aurora (Adolfo Casais Monteiro)

A poesia não é voz – é uma inflexão.
Dizer, diz tudo a prosa. No verso
nada se acrescenta a nada, somente
um jeito impalpável dá figura
ao sonho de cada um, expectativa
das formas por achar. No verso nasce
à palavra uma verdade que não acha
entre os escombros da prosa o seu caminho.
E aos homens um sentido que não há
nos gestos nem nas coisas:

vôo sem pássaro dentro.

Publicações relacionadas

Cantiga de Malazarte Cantiga de Malazarte (Murilo Mendes) Eu sou o olhar que penetra nas camadas d...
Quando Está Frio Quando Está Frio (Alberto Caeiro) Quando está frio no tempo do frio, para mim...
Anoche cuando dormía Anoche cuando dormía (Antonio Machado) Anoche cuando dormía soñé, ¡bendita ...
Bem no Fundo Bem no Fundo (Paulo Leminski) No fundo, no fundo, bem lá no fundo, a gent...

Deixe uma resposta