A um epiléptico

Print Friendly, PDF & Email

A um epiléptico (Augusto dos Anjos)

Perguntarás quem sou?! – ao suor que te unta,
À dor que os queixos te arrebenta, aos trismos
Da epilepsia horrenda, e nos abismos
Ninguém responderá tua pergunta!

Reclamada por negros magnetismos
Tua cabeça há de cair, defunta
Na aterradora operação conjunta
Da tarefa animal dos organismos!

Mas após o antropófago alambique
Em que é mister todo o teu corpo fique
Reduzido a excreções de sânie e lodo,

Como a luz que arde, virgem, num monturo,
Tu hás de entrar completamente puro
Para a circulação do Grande Todo!

Publicações relacionadas

Canto da estrada real – ... Canto da estrada real - 01 (Walt Whitman) Traduç...
Leve Leve (Alberto Caeiro) De O Guardado...
Feito Adão de manhã cedo Feito Adão de manhã cedo (Walt Whitman) Feito Adão de manhã cedo deixando o ...
Embriaga-te Embriaga-te (Charles Pierre Baudelaire) Deve- se estar sempre bêbado. É a úni...

Deixe uma resposta