A um epiléptico

Print Friendly, PDF & Email

A um epiléptico (Augusto dos Anjos)

Perguntarás quem sou?! – ao suor que te unta,
À dor que os queixos te arrebenta, aos trismos
Da epilepsia horrenda, e nos abismos
Ninguém responderá tua pergunta!

Reclamada por negros magnetismos
Tua cabeça há de cair, defunta
Na aterradora operação conjunta
Da tarefa animal dos organismos!

Mas após o antropófago alambique
Em que é mister todo o teu corpo fique
Reduzido a excreções de sânie e lodo,

Como a luz que arde, virgem, num monturo,
Tu hás de entrar completamente puro
Para a circulação do Grande Todo!

Publicações relacionadas

Descobrimento Descobrimento (Mário de Andrade) Abancado à escrivaninha em São Paulo Na min...
Criança Desconhecida Criança Desconhecida (Alberto Caeiro) Criança desconhecida e suja brincando ...
Primeiros Conselhos do Outono Primeiros Conselhos do Outono (Antero de Quental) Ouve tu, meu cansado coraca...
No sé por qué piensas tú No sé por qué piensas tú (Nicolás Guillén) De Cantos...

Deixe uma resposta