O Mar

Print Friendly, PDF & Email

O Mar (Augusto dos Anjos)

O mar é triste como um cemitério,
Cada rocha é uma eterna sepultura
Banhada pela imácula brancura
De ondas chorando num albor etéreo.

Ah! dessas no bramir funéreo
Jamais vibrou a sinfonia pura
Do amor; só descanta, dentre a escura
Treva do oceano, a voz do meu saltério!

Quando a cândida espuma dessas vagas,
Banhando a fria solidão das fragas,
Onde a quebrar-se tão fugaz se esfuma.

Reflete a luz do sol que já não arde,
Treme na treva a púrpura da tarde,
Chora a saudade envolta nesta espuma!

Pau d’Arco – 1902

Publicações relacionadas

Aquela Senhora tem um Piano Aquela Senhora tem um Piano (Alberto Caeiro) ...
Seja o que For Seja o que For (Alberto Caeiro) Seja o que for que esteja no centro do Mun...
Não Necessito De Pedra Tumular... Não Necessito De Pedra Tumular (Bertold Brecht) Não necessito de pedra tumula...
Poema começado no fim Poema começado no fim (Adélia Prado) Um corpo quer outro corpo. Uma alma que...

Deixe uma resposta