O Mar

Print Friendly, PDF & Email

O Mar (Augusto dos Anjos)

O mar é triste como um cemitério,
Cada rocha é uma eterna sepultura
Banhada pela imácula brancura
De ondas chorando num albor etéreo.

Ah! dessas no bramir funéreo
Jamais vibrou a sinfonia pura
Do amor; só descanta, dentre a escura
Treva do oceano, a voz do meu saltério!

Quando a cândida espuma dessas vagas,
Banhando a fria solidão das fragas,
Onde a quebrar-se tão fugaz se esfuma.

Reflete a luz do sol que já não arde,
Treme na treva a púrpura da tarde,
Chora a saudade envolta nesta espuma!

Pau d’Arco – 1902

Publicações relacionadas

O dorminhoco do vale O dorminhoco do vale (Arthur Rimbaud) Tradução de Rodrigo Solano Era um ...
Noiturno do Adoescente Morto Noiturno do Adoescente Morto (Federico Garcia Lorca) Seis Poemas Galegos (193...
Abat-Jour Abat-Jour (Fernando Pessoa) A lâmpada acesa (Outrem a acendeu) Baixa uma ...
Encarnação Encarnação (Cruz e Souza) Carnais, sejam carnais tantos desejos, ...

Deixe uma resposta