O Mar

Print Friendly, PDF & Email

O Mar (Augusto dos Anjos)

O mar é triste como um cemitério,
Cada rocha é uma eterna sepultura
Banhada pela imácula brancura
De ondas chorando num albor etéreo.

Ah! dessas no bramir funéreo
Jamais vibrou a sinfonia pura
Do amor; só descanta, dentre a escura
Treva do oceano, a voz do meu saltério!

Quando a cândida espuma dessas vagas,
Banhando a fria solidão das fragas,
Onde a quebrar-se tão fugaz se esfuma.

Reflete a luz do sol que já não arde,
Treme na treva a púrpura da tarde,
Chora a saudade envolta nesta espuma!

Pau d’Arco – 1902

Publicações relacionadas

Acho tão Natural que não se Pe... Acho tão Natural que não se Pense (Alberto Caeiro) ...
Preceito 04 Preceito 04 (Gregório de Matos) Vejo, que morrem de fome os Pais daquelas...
não creio não creio (Paulo Leminski) do livro "Caprichos e Relaxo...
Consulta Consulta (Antero de Quental) de ...

Deixe uma resposta