As mãos de meu pai

Print Friendly, PDF & Email

As mãos de meu pai (Mário Quintana)

As tuas mãos têm grossas veias como cordas azuis
sobre um fundo de manchas já da cor da terra
– como são belas as tuas mãos
pelo quanto lidaram, acariciaram ou fremiram da nobre cólera dos justos…
Porque há nas tuas mãos, meu velho pai, essa beleza que se chama simplesmente vida.
E, ao entardecer, quando elas repousam nos braços da tua cadeira predileta,
uma luz parece vir de dentro delas…
Virá dessa chama que pouco a pouco, longamente,
vieste alimentando na terrível solidão do mundo,
como quem junta uns gravetos e tenta acendê-los contra o vento?
Ah! Como os fizestes arder, fulgir, com o milagre das tuas mãos!
E é, ainda, a vida que transfigura as tuas mãos nodosas…
Essa chama de vida – que transcende a própria vida
….e que os Anjos, um dia, chamarão de alma.

Publicações relacionadas

Toda a cidade derrota Toda a cidade derrota (Gregório de Matos) Toda a cidade derrota esta fome ...
Madrigal à cibdá de Santiago Madrigal à cibdá de Santiago (Federico Garcia Lorca) Seis Poemas Galegos (193...
Feito Adão de manhã cedo Feito Adão de manhã cedo (Walt Whitman) Feito Adão de manhã cedo deixando o ...
No meu peito arde em chamas ab... No meu peito arde em chamas abrasada (Augusto dos Anjos) Soneto No meu pei...

Deixe uma resposta