Vozes da Morte

Print Friendly, PDF & Email

Vozes da Morte (Augusto dos Anjos)

Agora, sim! Vamos morrer, reunidos,
Tamarindo de minha desventura,
Tu, com o envelhecimento da nervura,
Eu, com o envelhecimento dos tecidos!

Ah! Esta noite é a noite dos Vencidos!
E a podridão, meu velho! E essa futura
Ultrafatalidade de ossatura,
A que nos acharemos reduzidos!

Não morrerão, porém, tuas sementes!
E assim, para o Futuro, em diferentes
Florestas, vales, selvas, glebas, trilhos,

Na multiplicidade dos teus ramos,
Pelo muito que em vida nos amamos,
Depois da morte inda teremos filhos!

Publicações relacionadas

Os Cortejos Os Cortejos (Mário de Andrade) Monotonias das minhas retinas... Serpentinas ...
A Guerra A Guerra (Alberto Caeiro) A guerra que aflige com os seus esquadrões o M...
Ovos da páscoa Ovos da páscoa (Adélia Prado) O ovo não cabe em si, túrgido de promessa, a n...
La poesia La poesia (Octavio Paz) Llegas, silenciosa, secreta, y despiertas los furor...

Deixe uma resposta