Oswald morto

Print Friendly, PDF & Email

Oswald morto (Ferreira Gullar)

Enterraram ontem em São Paulo
um anjo antrpófago
de asas de folha de bananeira
(mais um nome que se mistura à nossa vegetação tropical)

As escolas e as usinas pailistas
não se detiveram
para olhar o corpo do poeta que anunciara a civilização do ócio
Quanto mais pressa mais vagar

O lenço em que pela última vez
assoou o nariz
era uma bandeira nacional

NOTA:
Fez sol o dia inteiro em ipanema
Oswald de Andrade ajudou o crepúsculo
hoje domingo 24 de outubro de 1954

Publicações relacionadas

Sem terra e sem céu Sem terra e sem céu (Mario Benedetti) Do liv...
Os deslimites da palavra Os deslimites da palavra (Manoel de Barros) Ando muito completo de vazios. M...
Últimas lamentaciones de Abel ... Últimas lamentaciones de Abel Martín (Antonio Machado) Hoy, con la primavera,...
Diferente Diferente (Arnaldo Antunes) tá tudo tão diferente eles são tão parecidos mas...

Deixe uma resposta