Oswald morto

Print Friendly, PDF & Email

Oswald morto (Ferreira Gullar)

Enterraram ontem em São Paulo
um anjo antrpófago
de asas de folha de bananeira
(mais um nome que se mistura à nossa vegetação tropical)

As escolas e as usinas pailistas
não se detiveram
para olhar o corpo do poeta que anunciara a civilização do ócio
Quanto mais pressa mais vagar

O lenço em que pela última vez
assoou o nariz
era uma bandeira nacional

NOTA:
Fez sol o dia inteiro em ipanema
Oswald de Andrade ajudou o crepúsculo
hoje domingo 24 de outubro de 1954

Publicações relacionadas

Fragmento de um canto em corda... Fragmento de um canto em cordas de bronze (Álvares de Azevedo) Deixai qu...
Ecos d’Alma Ecos d’Alma (Augusto dos Anjos) Oh! madrugada de ilusões, santíssima, Sombra...
Inventario galante Inventario galante (Antonio Machado) Tus ojos me recuerdan las noches de ve...
A beleza A beleza (Charles Pierre Baudelaire) Tradução de Guilherme de Almeida Sou...

Deixe uma resposta