Vandalismo

Print Friendly, PDF & Email

Vandalismo (Augusto dos Anjos)

Meu coração tem catedrais imensas,
Templos de priscas e longínquas datas,
Onde um nume de amor, em serenatas,
Canta a aleluia virginal das crenças.

Na ogiva fúlgida e nas colunatas
Vertem lustrais irradiações intensas
Cintilações de lâmpadas suspensas
E as ametistas e os florões e as pratas.

Como os velhos Templários medievais
Entrei um dia nessas catedrais
E nesses templos claros e risonhos …

E erguendo os gládios e brandindo as hastas,
No desespero dos iconoclastas
Quebrei a imagem dos meus próprios sonhos!

Publicações relacionadas

Neologismo Neologismo (Manuel Bandeira) Beijo pouco, falo menos ainda. Mas invento pala...
Tática e estratégia Tática e estratégia (Mario Benedetti) Tradução Minha tática é olhar-te a...
André Chénier André Chénier (Augusto dos Anjos) Na real magnificência dos gigantes Grave c...
Preceito 02 Preceito 02 (Gregório de Matos) No que toca aos juramentos, de mim para m...

Deixe uma resposta