Vandalismo

Print Friendly, PDF & Email

Vandalismo (Augusto dos Anjos)

Meu coração tem catedrais imensas,
Templos de priscas e longínquas datas,
Onde um nume de amor, em serenatas,
Canta a aleluia virginal das crenças.

Na ogiva fúlgida e nas colunatas
Vertem lustrais irradiações intensas
Cintilações de lâmpadas suspensas
E as ametistas e os florões e as pratas.

Como os velhos Templários medievais
Entrei um dia nessas catedrais
E nesses templos claros e risonhos …

E erguendo os gládios e brandindo as hastas,
No desespero dos iconoclastas
Quebrei a imagem dos meus próprios sonhos!

Publicações relacionadas

New York New York (Federico Garcia Lorca) (Oficina y denuncia) Debajo de las multi...
Ouço dizer que contra mim foi ... Ouço dizer que contra mim foi alegado (Walt Whitman) Ouço dizer que contra mi...
Encarnação Encarnação (Cruz e Souza) Carnais, sejam carnais tantos desejos, ...
O menino doente O menino doente (Manuel Bandeira) O menino dorme. Para que o menino Durm...

Deixe uma resposta