Vandalismo

Print Friendly, PDF & Email

Vandalismo (Augusto dos Anjos)

Meu coração tem catedrais imensas,
Templos de priscas e longínquas datas,
Onde um nume de amor, em serenatas,
Canta a aleluia virginal das crenças.

Na ogiva fúlgida e nas colunatas
Vertem lustrais irradiações intensas
Cintilações de lâmpadas suspensas
E as ametistas e os florões e as pratas.

Como os velhos Templários medievais
Entrei um dia nessas catedrais
E nesses templos claros e risonhos …

E erguendo os gládios e brandindo as hastas,
No desespero dos iconoclastas
Quebrei a imagem dos meus próprios sonhos!

Publicações relacionadas

É muito claro É muito claro (Ana Cristina Cesar) é muito claro amor bateu para ficar ...
Ara maldita Ara maldita (Augusto dos Anjos) Como um’ave, cindindo os céus risonhos, Meig...
A peste A peste (Augusto dos Anjos) Filha da raiva de Jeová - a Peste N’um insano ce...
Tristura Tristura (Mário de Andrade) “Une rose dans les ténèbres” - Mal...

Deixe uma resposta