Aventura na casa atarracada

Print Friendly, PDF & Email

Aventura na casa atarracada (Ana Cristina Cesar)

Movido contraditoriamente
por desejo e ironia
não disse mas soltou,
numa noite fria,
aparentemente desalmado;
– Te pego lá na esquina,
na palpitação da jugular,
com soro de verdade e meia,
bem na veia, e cimento armado
para o primeiro a andar.

Ao que ela teria contestado, não,
desconversado, na beira do andaime
ainda a descoberto: – Eu também,
preciso de alguém que só me ame.
Pura preguiça, não se movia nem um passo.
Bem se sabe que ali ela não presta.
E ficaram assim, por mais de hora,
a tomar chá, quase na borda,
olhos nos olhos, e quase testa a testa.

Publicações relacionadas

Página branca Página branca (Arnaldo Antunes) O inverno é eterno no pólo norte. Os dias d...
Poema da Gare de Astapovo Poema da Gare de Astapovo (Mário Quintana) O velho Leon Tolstoi fugiu de casa...
A minha vida é um barco abando... A minha vida é um barco abandonado (Fernando Pessoa) A minha vida é um barco...
Para a liberdade e luta Para a liberdade e luta (Paulo Leminski) me enterrem com os trotskistas n...

Deixe uma resposta