No meu Prato

Print Friendly, PDF & Email

No meu Prato (Alberto Caeiro)

De O Guardador de Rebanhos

No meu prato que mistura de Natureza!
As minhas irmãs as plantas,
As companheiras das fontes, as santas
A quem ninguém reza…
E cortam-as e vêm à nossa mesa
E nos hotéis os hóspedes ruidosos,
Que chegam com correias tendo mantas
Pedem “Salada”, descuidosos…,
Sem pensar que exigem à Terra-Mãe
A sua frescura e os seus filhos primeiros,
As primeiras verdes palavras que ela tem,
As primeiras cousas vivas e irisantes
Que Noé viu
Quando as águas desceram e o cimo dos montes
Verde e alagado surgiu
E no ar por onde a pomba apareceu
O arco-íris se esbateu…

Publicações relacionadas

Permanência Permanência (Adolfo Casais Monteiro) Não peçam aos poetas um caminho. O poeta...
Uma Gargalhada Uma Gargalhada (Alberto Caeiro) Uma Gargalhada de rapariga soa do ar da es...
El puñal El puñal (Jorge Luis Borges) En un cajón hay un puñal. Fue forjado en Toled...
Poema com absorvências Poema com absorvências (Adélia Prado) Poema com absorvências no totalmeute p...

Deixe uma resposta