O que Ouviu os Meus Versos

Print Friendly, PDF & Email

O que Ouviu os Meus Versos (Alberto Caeiro)

O que ouviu os meus versos disse-me: “Que tem isso de novo?
Todos sabem que unia flor é uma flor e uma árvore é uma árvore.
Mas eu respondi, nem todos, (?………. )
Porque todos amam as flores por serem belas, e eu sou diferente
E todos amam as árvores por serem verdes e darem sombra, mas eu não.
Eu amo as flores por serem flores, diretamente.
Eu amo as árvores por serem árvores, sem o meu pensamento.

Publicações relacionadas

Penachos vívidos Penachos vívidos (José Martí) Como taza en que hierve Ora en carreras locas, ...
Um cadáver de poeta Um cadáver de poeta (Álvares de Azevedo) Levem ao t...
Autoretrato Autoretrato (Pablo Neruda) Por mi parte, soy o creo ser duro de nariz, mí...
De uma vez por todas De uma vez por todas (Thiago de Mello Por Carlos Heitor Cony Todas de uma vez....

Deixe uma resposta