Lubricidade

Print Friendly, PDF & Email

Lubricidade (Cruz e Souza)

Quisera ser a serpe venenosa
Que dá-te medo e dá-te pesadelos
Para envolverem, ó Flor maravilhosa,
Nos flavos turbilhões dos teus cabelos.

Quisera ser a serpe veludosa
Para, enroscada em múltiplos novelos,
Saltar-te aos seios de fluidez cheirosa
E babujá-los e depois mordê-los…

Talvez que o sangue impuro e flamejante
Do teu lânguido corpo de bacante,
Da langue ondulação de águas do Reno

Estranhamente se purificasse…
Pois que um veneno de áspide vorace
Deve ser morto com igual veneno…

Publicações relacionadas

Cotidiana 1 Cotidiana 1 (Mario Benedetti) Do livro "Inve...
Paisagem noturna Paisagem noturna (Manuel Bandeira) A sombra imensa, a noite infinita enche o ...
No Muro Estava Escrito Com Giz No Muro Estava Escrito Com Giz: (Bertold Brecht) Eles querem a guerra. Quem ...
Poetas de amanhã Poetas de amanhã (Walt Whitman) Poetas de amanhã: arautos, músicos, cantores...

Deixe uma resposta