Lubricidade

Print Friendly, PDF & Email

Lubricidade (Cruz e Souza)

Quisera ser a serpe venenosa
Que dá-te medo e dá-te pesadelos
Para envolverem, ó Flor maravilhosa,
Nos flavos turbilhões dos teus cabelos.

Quisera ser a serpe veludosa
Para, enroscada em múltiplos novelos,
Saltar-te aos seios de fluidez cheirosa
E babujá-los e depois mordê-los…

Talvez que o sangue impuro e flamejante
Do teu lânguido corpo de bacante,
Da langue ondulação de águas do Reno

Estranhamente se purificasse…
Pois que um veneno de áspide vorace
Deve ser morto com igual veneno…

Publicações relacionadas

Cotidiana 1 Cotidiana 1 (Mario Benedetti) Do livro "Inve...
Canção do exílio Canção do exílio (Gonçalves Dias) Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabi...
Dizes-me Dizes-me (Alberto Caeiro) Dizes-me: tu és mais alguma cousa Que uma p...
Paixão segundo G.H. (trecho) Paixão segundo G.H.(Clarice Lispecto) "É difícil perder-se. É tão difícil que...

Deixe uma resposta