Lubricidade

Print Friendly, PDF & Email

Lubricidade (Cruz e Souza)

Quisera ser a serpe venenosa
Que dá-te medo e dá-te pesadelos
Para envolverem, ó Flor maravilhosa,
Nos flavos turbilhões dos teus cabelos.

Quisera ser a serpe veludosa
Para, enroscada em múltiplos novelos,
Saltar-te aos seios de fluidez cheirosa
E babujá-los e depois mordê-los…

Talvez que o sangue impuro e flamejante
Do teu lânguido corpo de bacante,
Da langue ondulação de águas do Reno

Estranhamente se purificasse…
Pois que um veneno de áspide vorace
Deve ser morto com igual veneno…

Publicações relacionadas

Prendimiento de Antoñito El Ca... Prendimiento de Antoñito El Camborio en el camino de Sevilla (Federico Garcia Lo...
Dos nossos males Dos nossos males (Mário Quintana) A nós bastem nossos próprios ais, Que a ni...
Que falta aos jovens? Que falta aos jovens? (Mario Benedetti) Tradução Que falta aos jovens prov...
Moça linda bem tratada Moça linda bem tratada (Mário de Andrade) Moça linda bem tratada, Três sécul...

Deixe uma resposta