Lubricidade

Print Friendly, PDF & Email

Lubricidade (Cruz e Souza)

Quisera ser a serpe venenosa
Que dá-te medo e dá-te pesadelos
Para envolverem, ó Flor maravilhosa,
Nos flavos turbilhões dos teus cabelos.

Quisera ser a serpe veludosa
Para, enroscada em múltiplos novelos,
Saltar-te aos seios de fluidez cheirosa
E babujá-los e depois mordê-los…

Talvez que o sangue impuro e flamejante
Do teu lânguido corpo de bacante,
Da langue ondulação de águas do Reno

Estranhamente se purificasse…
Pois que um veneno de áspide vorace
Deve ser morto com igual veneno…

Publicações relacionadas

Atravessa esta paisagem o meu ... Atravessa esta paisagem o meu sonho (Fernando Pessoa) Atravessa esta paisagem...
O punhal O punhal (Jorge Luis Borges) Tradução Em um estojo tem um punhal. Foi for...
Poema da Necessidade Poema da Necessidade (Carlos Drummond de Andrade) É preciso casar João, é p...
Elogio da Dialética Elogio da Dialética (Bertold Brecht) A injustiça passeia pelas ruas com passo...

Deixe uma resposta