Lubricidade

Print Friendly, PDF & Email

Lubricidade (Cruz e Souza)

Quisera ser a serpe venenosa
Que dá-te medo e dá-te pesadelos
Para envolverem, ó Flor maravilhosa,
Nos flavos turbilhões dos teus cabelos.

Quisera ser a serpe veludosa
Para, enroscada em múltiplos novelos,
Saltar-te aos seios de fluidez cheirosa
E babujá-los e depois mordê-los…

Talvez que o sangue impuro e flamejante
Do teu lânguido corpo de bacante,
Da langue ondulação de águas do Reno

Estranhamente se purificasse…
Pois que um veneno de áspide vorace
Deve ser morto com igual veneno…

Publicações relacionadas

As vogais As vogais (Arthur Rimbaud) Tradução de Celso Vieira A negro, E, branco, ...
A desobediência civil – ... A desobediência civil - I (Henry David Thoreau) Aceito com entusiasmo o lema ...
Volúpia Imortal Volúpia Imortal (Augusto dos Anjos) Cuidas que o genesíaco prazer, Fome do á...
Ecos d’Alma Ecos d’Alma (Augusto dos Anjos) Oh! madrugada de ilusões, santíssima, Sombra...

Deixe uma resposta