Primeira comunhão

Print Friendly, PDF & Email

Primeira comunhão (Cruz e Souza)

Grinaldas e véus brancos, véus de neve,
Véus e grinaldas purificadores,
Vão as Flores carnais, as alvas Flores
Do Sentimento delicado e leve.

Um luar de pudor, sereno e breve,
De ignotos e de prônubos pudores,
Erra nos pulcros virginais brancores
Por onde o Amor parábolas descreve…

Luzes claras e augustas, luzes claras
Douram dos templos as sagradas aras,
Na comunhão das níveas hóstias frias…

Quando seios pubentes estremecem,
Silfos de sonhos de volúpia crescem,
Ondulantes, em formas alvadias…

Publicações relacionadas

O engenho de Seu Lula O engenho de Seu Lula (José Lins do Rego) Trecho do livro "Fogo Morto" Che...
Um homem pessimista Um homem pessimista (Bertold Brecht) Um homem pessimista É tolerante. Ele s...
Farewell Farewell (Pablo Neruda) Desde el fondo de ti, y arrodillado, un niño tr...
Quase um réquiem Quase um réquiem (Mario Benedetti) Do livro "...

Deixe uma resposta