Afra

Print Friendly, PDF & Email

Afra (Cruz e Souza)

Ressurges dos mistérios da luxúria,
Afra, tentada pelos verdes pomos,
Entre os silfos magnéticos e os gnomos
Maravilhosos da paixão purpúrea.

Carne explosiva em pólvoras e fúria
De desejos pagãos, por entre assomos
Da virgindade–casquinantes momos
Rindo da carne já votada a incúria.

Votada cedo ao lânguido abandono,
Aos mórbidos delíquios como ao sono,
Do gozo haurindo os venenosos sucos.

Sonho-te a deusa das lascivas pompas,
A proclamar, impávida, por trompas,
Amores mais estéreis que os eunucos!

Publicações relacionadas

Dizes-me Dizes-me (Alberto Caeiro) Dizes-me: tu és mais alguma cousa Que uma p...
Num Dia de Verão Num Dia de Verão (Alberto Caeiro) D...
Nada me demove Nada me demove (Paulo Leminski) nada me demove ainda vou ser o pai dos ...
O Binômio de Newton O Binômio de Newton (Álvaro de Campos) O Binômio de Newton é tão belo como a ...

Deixe uma resposta