Afra

Print Friendly, PDF & Email

Afra (Cruz e Souza)

Ressurges dos mistérios da luxúria,
Afra, tentada pelos verdes pomos,
Entre os silfos magnéticos e os gnomos
Maravilhosos da paixão purpúrea.

Carne explosiva em pólvoras e fúria
De desejos pagãos, por entre assomos
Da virgindade–casquinantes momos
Rindo da carne já votada a incúria.

Votada cedo ao lânguido abandono,
Aos mórbidos delíquios como ao sono,
Do gozo haurindo os venenosos sucos.

Sonho-te a deusa das lascivas pompas,
A proclamar, impávida, por trompas,
Amores mais estéreis que os eunucos!

Publicações relacionadas

Evolução Evolução (Antero de Quental) de ...
Minha Universidade Minha Universidade (Vladmir Maiakowski) Conheceis o francês, sabeis dividir...
Adeus, Meus Sonhos! Adeus, Meus Sonhos! (Álvares de Azevedo) Adeus, meus sonhos, eu pranteio e mo...
Permanência Permanência (Adolfo Casais Monteiro) Não peçam aos poetas um caminho. O poeta...

Deixe uma resposta