Afra

Print Friendly, PDF & Email

Afra (Cruz e Souza)

Ressurges dos mistérios da luxúria,
Afra, tentada pelos verdes pomos,
Entre os silfos magnéticos e os gnomos
Maravilhosos da paixão purpúrea.

Carne explosiva em pólvoras e fúria
De desejos pagãos, por entre assomos
Da virgindade–casquinantes momos
Rindo da carne já votada a incúria.

Votada cedo ao lânguido abandono,
Aos mórbidos delíquios como ao sono,
Do gozo haurindo os venenosos sucos.

Sonho-te a deusa das lascivas pompas,
A proclamar, impávida, por trompas,
Amores mais estéreis que os eunucos!

Publicações relacionadas

Às vezes entre a tormenta Às vezes entre a tormenta (Fernando Pessoa) Às vezes entre a tormenta, quan...
Españolito Españolito (Antonio Machado) Ya hay un español que quiere vivir y a vivir em...
Conciliação Conciliação (Cruz e Souza) Se essa angústia de amar te crucifica, Não és da ...
La Lluvia La Lluvia (Jorge Luis Borges) Bruscamente la tarde se ha aclarado Porque ya...

Deixe uma resposta