As vogais

Print Friendly, PDF & Email

As vogais (Arthur Rimbaud)

Tradução de Celso Vieira

A negro, E, branco, I, rubro, O, turquesino,
vossa origem latente hei de cantar em breve.
O enxame que a zumbir de um pântano se eleve,
“A”, teu negro veludo esmalta de ouro fino;

E, brancura ideal das tendas cor de neve,
umbelas de alvos reis, lanças de gelo alpino;
I, sangue em jorros, I, púrpura em chamas, hino
de cólera que, a rir, num lábio em flor se atreve;

U, círculos do mar nos gláucos horizontes,
verdes pastos sem fim, rugas sulcando as frontes
dos que buscam da ciência os íntimos refolhos;

O, fanfarras, clarins, trons de vitória, brados,
O, silêncios azuis de anjos e sóis povoados,
O, clarão vesperal, violáceo, dos seus olhos

Publicações relacionadas

Há Metafísica Bastante em Não ... Há Metafísica Bastante em Não Pensar em Nada (Alberto Caeiro) ...
Tristezas da lua Tristezas da lua (Charles Pierre Baudelaire) Tradução de Martins Fontes ...
Sonhador Sonhador (Cruz e Souza) Por sóis, por belos sóis alvissareiros, N...
Penachos vívidos Penachos vívidos (José Martí) Como taza en que hierve Ora en carreras locas, ...

Deixe uma resposta