Inconstância dos bens do mundo

Print Friendly, PDF & Email

Inconstância dos bens do mundo (Gregório de Matos)

Nasce o Sol, e não dura mais que um dia,
Depois da Luz se segue a noite escura,
Em tristes sombras morre a formosura,
Em contínuas tristezas a alegria.
Porém, se acaba o Sol, por que nascia?
Se é tão formosa a Luz, por que não dura?
Como a beleza assim se transfigura?
Como o gosto da pena assim se fia?
Mas no Sol, e na Luz falte a firmeza,
Na formosura não se dê constancia,
E na alegria sinta-se tristeza.
Começa o mundo enfim pela ignorância,
E tem qualquer dos bens por natureza
A firmeza somente na inconstância.

Publicações relacionadas

A praça estava cheia A praça estava cheia. (Augusto dos Anjos) Soneto A praça estava cheia. O c...
No segundo ano de minha fuga No segundo ano de minha fuga (Bertold Brecht) No segundo ano de minha fuga L...
O grande Momento O grande Momento (Cruz e Souza) Inicia-te, enfim, Alma imprevista, Entra no ...
O rio O rio (João Cabral de Melo Neto) ou relação da viagem que faz o Capibaribe...

Deixe uma resposta