Inconstância dos bens do mundo

Print Friendly, PDF & Email

Inconstância dos bens do mundo (Gregório de Matos)

Nasce o Sol, e não dura mais que um dia,
Depois da Luz se segue a noite escura,
Em tristes sombras morre a formosura,
Em contínuas tristezas a alegria.
Porém, se acaba o Sol, por que nascia?
Se é tão formosa a Luz, por que não dura?
Como a beleza assim se transfigura?
Como o gosto da pena assim se fia?
Mas no Sol, e na Luz falte a firmeza,
Na formosura não se dê constancia,
E na alegria sinta-se tristeza.
Começa o mundo enfim pela ignorância,
E tem qualquer dos bens por natureza
A firmeza somente na inconstância.

Publicações relacionadas

Cancion del mariquita Cancion del mariquita (Federico Garcia Lorca) El mariquita se peina en su p...
As mãos de meu pai As mãos de meu pai (Mário Quintana) As tuas mãos têm grossas veias como corda...
Mi Vida Entera Mi Vida Entera (Jorge Luis Borges) Aqui otra vez, los labios memorables, unic...
Descobrimento Descobrimento (Mário de Andrade) Abancado à escrivaninha em São Paulo Na min...

Deixe uma resposta