Inconstância dos bens do mundo

Print Friendly, PDF & Email

Inconstância dos bens do mundo (Gregório de Matos)

Nasce o Sol, e não dura mais que um dia,
Depois da Luz se segue a noite escura,
Em tristes sombras morre a formosura,
Em contínuas tristezas a alegria.
Porém, se acaba o Sol, por que nascia?
Se é tão formosa a Luz, por que não dura?
Como a beleza assim se transfigura?
Como o gosto da pena assim se fia?
Mas no Sol, e na Luz falte a firmeza,
Na formosura não se dê constancia,
E na alegria sinta-se tristeza.
Começa o mundo enfim pela ignorância,
E tem qualquer dos bens por natureza
A firmeza somente na inconstância.

Publicações relacionadas

Caña Caña (Nicolás Guillén) De Sóngoro cosongo El negr...
Uma Vida e Seu Ofício Uma Vida e Seu Ofício (Thiago de Mello Por Erorci Santana Claridão e antem...
O cântico da terra O cântico da terra (Cora Coralina) Eu sou a terra, eu sou a vida. Do meu bar...
Não Basta Não Basta (Alberto Caeiro) Não basta abrir a janela Para ver os campos e ...

Deixe uma resposta