1º Soneto a Maria dos Povos

Print Friendly, PDF & Email

1º Soneto a Maria dos Povos (Gregório de Matos)

Discreta e formosíssima Maria,
Enquanto estamos vendo a qualquer hora
Em tuas faces a rosada Aurora,
Em teus olhos e boca o Sol e o dia,
Enquanto com gentil descortesia
O ar, que fresco Adônis te namora,
Te espalha a rica trança voadora
Quando vem passear-te pela fria,
Goza, goza da flor da mocidade,
Que o tempo trata a toda ligeireza,
E imprime em toda a flor sua pisada.
Oh não aguardes, que a madura idade,
Te converta essa flor, essa beleza,
Em terra, em cinza, em pó, em sombra, em nada.

Publicações relacionadas

Aço e flor Aço e flor (Paulo Leminski) Quem nunca viu que a flor, a faca e a...
Como árvores Como árvores (Mario Benedetti) Do livro "Inve...
Currículo Currículo (Mario Benedetti) Tradução A história é muito simples você nasc...
Os sapos Os sapos (Manuel Bandeira) Enfunando os papos, Saem da penumbra, Aos pulos...

Deixe uma resposta