1º Soneto a Maria dos Povos

Print Friendly, PDF & Email

1º Soneto a Maria dos Povos (Gregório de Matos)

Discreta e formosíssima Maria,
Enquanto estamos vendo a qualquer hora
Em tuas faces a rosada Aurora,
Em teus olhos e boca o Sol e o dia,
Enquanto com gentil descortesia
O ar, que fresco Adônis te namora,
Te espalha a rica trança voadora
Quando vem passear-te pela fria,
Goza, goza da flor da mocidade,
Que o tempo trata a toda ligeireza,
E imprime em toda a flor sua pisada.
Oh não aguardes, que a madura idade,
Te converta essa flor, essa beleza,
Em terra, em cinza, em pó, em sombra, em nada.

Publicações relacionadas

A morte chega cedo A morte chega cedo (Fernando Pessoa) A morte chega cedo, Pois breve é toda ...
Ausência Ausência (Vinicius de Moraes Eu deixarei que morra em mim o desejo de amar os...
Lacrimae rerum Lacrimae rerum (Antero de Quental) ...
Antes do nome Antes do nome (Adélia Prado) Não me importa a palavra, esta corriqueira. Qu...

Deixe uma resposta