2º Soneto à morte de Afonsos Barbosa da Franca

Print Friendly, PDF & Email

2º Soneto à morte de Afonsos Barbosa da Franca (Gregório de Matos)

Alma gentil, esprito generoso,
Que do corpo as prisões desamparaste,
E qual cândida flor em flor cortaste
De teus anos o pâmpano viçoso.
Hoje, que o sólio habitas luminoso,
Hoje, que ao trono eterno te exaltaste,
Lembra-te daquele amigo a quem deixaste
Triste, absorto, confuso, e saudoso.
Tanto tua virtude ao céu subiste,
Que teve o céu cobiça de gozar-te,
Que teve a morte inveja de vencer-te.
Venceste o foro humano em que caíste,
Goza-te o céu não só por premiar-te,
Senão por dar-me a mágoa de perder-te.

Publicações relacionadas

Preceito 01 Preceito 01 (Gregório de Matos) Que de quilombos que tenho com mestres su...
Só (Florbela Espanca) Eu tenho pena da Lua! Tanta pena, coitadinha, Quando ...
O que Nós Vemos O que Nós Vemos (Alberto Caeiro) De...
A volta da mulher morena A volta da mulher morena (Vinicius de Moraes Meus amigos, meus irmãos, cegai ...

Deixe uma resposta