2º Soneto à morte de Afonsos Barbosa da Franca

Print Friendly, PDF & Email

2º Soneto à morte de Afonsos Barbosa da Franca (Gregório de Matos)

Alma gentil, esprito generoso,
Que do corpo as prisões desamparaste,
E qual cândida flor em flor cortaste
De teus anos o pâmpano viçoso.
Hoje, que o sólio habitas luminoso,
Hoje, que ao trono eterno te exaltaste,
Lembra-te daquele amigo a quem deixaste
Triste, absorto, confuso, e saudoso.
Tanto tua virtude ao céu subiste,
Que teve o céu cobiça de gozar-te,
Que teve a morte inveja de vencer-te.
Venceste o foro humano em que caíste,
Goza-te o céu não só por premiar-te,
Senão por dar-me a mágoa de perder-te.

Publicações relacionadas

Relíquia intima Relíquia intima (Machado de Assis) Ilustríssimo, caro e velho amigo, Sab...
El viajero El viajero (Antonio Machado) Está en la sala familiar, sombría, y entre nos...
A alma do homem sob o socialis... A alma do homem sob o socialismo (Oscar Wilde) " A educação é uma coisa admir...
As cousas do mundo As cousas do mundo (Gregório de Matos) Neste mundo é mais rico o que mais ra...

Deixe uma resposta