2º Soneto à morte de Afonsos Barbosa da Franca

Print Friendly, PDF & Email

2º Soneto à morte de Afonsos Barbosa da Franca (Gregório de Matos)

Alma gentil, esprito generoso,
Que do corpo as prisões desamparaste,
E qual cândida flor em flor cortaste
De teus anos o pâmpano viçoso.
Hoje, que o sólio habitas luminoso,
Hoje, que ao trono eterno te exaltaste,
Lembra-te daquele amigo a quem deixaste
Triste, absorto, confuso, e saudoso.
Tanto tua virtude ao céu subiste,
Que teve o céu cobiça de gozar-te,
Que teve a morte inveja de vencer-te.
Venceste o foro humano em que caíste,
Goza-te o céu não só por premiar-te,
Senão por dar-me a mágoa de perder-te.

Publicações relacionadas

Idealizações Idealizações (Augusto dos Anjos) A Santos Neto I...
Ora até que enfim…, perf... Ora até que enfim..., perfeitamente... (Álvaro de Campos) Ora até que enfim.....
Adivinhações Adivinhações (Nicolás Guillén) D...
Manhã de embriaguez Manhã de embriaguez (Arthur Rimbaud) Ó meu Bem! Ó meu Belo! Fanfarra atroz em...

Deixe uma resposta