Vladmir_Maiakowski

Nacos de Nuvem

Print Friendly, PDF & Email

Nacos de Nuvem (Vladmir Maiakowski)

No céu flutuavam trapos
de nuvem – quatro farrapos

do primeiro ao terceiro – gente
o quarto – um camelo errante.

A ele, levado pelo instinto,
no caminho junta-se um quinto.

Do seio azul do céu, pé-ante-
pé, se desgarra um elefante.

Um sexto salta – parece.
Susto: o grupo desaparece.

E em seu rasto agora se estafa
o sol – amarela girafa.

1917- 1918
(Tradução Augusto de Campos)

Publicações relacionadas

Com os mortos Com os mortos (Antero de Quental) ...
Aparição Aparição (Cruz e Souza) Por uma estrada de astros e perfumes A Sa...
El crimen fue en Granada El crimen fue en Granada (Antonio Machado) I EL CRIMEN Se le vio, camin...
Canção I Canção I (Cecília Meireles) Nunca eu tivera querido dizer palavras tão louc...

Deixe uma resposta