Vladmir_Maiakowski

Nacos de Nuvem

Print Friendly, PDF & Email

Nacos de Nuvem (Vladmir Maiakowski)

No céu flutuavam trapos
de nuvem – quatro farrapos

do primeiro ao terceiro – gente
o quarto – um camelo errante.

A ele, levado pelo instinto,
no caminho junta-se um quinto.

Do seio azul do céu, pé-ante-
pé, se desgarra um elefante.

Um sexto salta – parece.
Susto: o grupo desaparece.

E em seu rasto agora se estafa
o sol – amarela girafa.

1917- 1918
(Tradução Augusto de Campos)

Publicações relacionadas

Nunca Sei Nunca Sei (Alberto Caeiro) Nunca sei como é que se pode achar um poente tr...
Que falta nesta cidade? Verdad... Que falta nesta cidade? Verdade (Gregório de Matos) Que falta nesta cidade?....
Sinto Sinto (Federico Garcia Lorca) (1921)...
Yo voy soñando caminos Yo voy soñando caminos (Antonio Machado) Yo voy soñando caminos de la tarde...

Deixe uma resposta