Vladmir_Maiakowski

Adolescente

Print Friendly, PDF & Email

Adolescente (Vladmir Maiakowski)

A juventude tem mil ocupações.
Estudamos gramática até ficar zonzos,
A mim
Me expulsaram do quinto ano
E fui entupir os cárceres de Moscou.
Em nosso pequeno mundo caseiro
Brotam pelos divãs
Poetas de melenas fartas.
Que esperar desses líricos bichanos ?
Eu, no entanto,
Aprendi a amar no cárcere.
Que vale comparado com isto
A tristeza do bosque de Boulogne?
Que valem comparados com isto
Suspiros ante a paisagem do mar?
Eu, pois,
Me enamorei da janelinha da cela 103
Da “oficina de pompas funebres”.
Há gente que vê o sol todos os dias
E se enche de presunção.
“Não valem muito esses raiozinhos”
dizem.
Eu, então,
Por um raiozinho de sol amarelo
Dançando em minha parede
Teria dado todo o mundo.

Publicações relacionadas

Quando eu Quando eu (Alberto Caeiro) Quando eu não te tinha Amava a Natureza como um ...
A um epiléptico A um epiléptico (Augusto dos Anjos) Perguntarás quem sou?! - ao suor que te u...
Vencido Vencido (Augusto dos Anjos) No auge de atordoadora e ávida sanha Leu tudo, d...
Relíquia intima Relíquia intima (Machado de Assis) Ilustríssimo, caro e velho amigo, Sab...

Deixe uma resposta