Ensinamento

Print Friendly, PDF & Email

Ensinamento (Adélia Prado)

Minha mãe achava estudo
a coisa mais fina do mundo.
Não é.
A coisa mais fina do mundo é o sentimento.
Aquele dia de noite, o pai fazendo serão,
ela falou comigo:
“Coitado, até essa hora no serviço pesado”.
Arrumou pão e café, deixou tacho no fogo com água quente,
Não me falou em amor.
Essa palavra de luxo.

Publicações relacionadas

O Lamento das Coisas O Lamento das Coisas (Augusto dos Anjos) Triste, a escutar, pancada por panca...
Para a liberdade e luta Para a liberdade e luta (Paulo Leminski) me enterrem com os trotskistas n...
Saudade Saudade (Augusto dos Anjos) Hoje que a mágoa me apunhala o seio, E o coração...
Cartas de Amor Ofhélia Queiroz conheceu Fernando Pessoa aos dezenove anos, em 1920. ...

Deixe uma resposta