Agonia de um Filósofo

Print Friendly, PDF & Email

Agonia de um Filósofo (Augusto dos Anjos)

Consulto o Phtah-Hotep. Leio o obsoleto
Rig-Veda. E, ante obras tais, me não consolo…
O Inconsciente me assombra e eu nêle tolo
Com a eólica fúria do harmatã inquieto!

Assisto agora à morte de um inseto!…
Ah! todos os fenômenos do solo
Parecem realizar de pólo a pólo
O ideal de Anaximandro de Mileto!

No hierático areopago heterogêneo
Das idéas, percorro como um gênio
Desde a alma de Haeckel à alma cenobial!…

Rasgo dos mundos o velário espesso;
E em tudo, igual a Goethe, reconheço
O império da substância universal!

Publicações relacionadas

Rosto de vós Rosto de vós (Mario Benedetti) Tradução Tenho uma solidão tão concorrida ...
Madrigal à cibdá de Santiago Madrigal à cibdá de Santiago (Federico Garcia Lorca) Seis Poemas Galegos (193...
um bom poema um bom poema (Paulo Leminski) leva anos cinco jogando bola, mais cinco estu...
Um Renque de Árvores Um Renque de Árvores (Alberto Caeiro) ...

Deixe uma resposta