Sete poemas portugueses (6)

Print Friendly, PDF & Email

Sete poemas portugueses (6) (Ferreira Gullar)

Calco sob os pés sórdidos o mito
que os céus segura – e sobre um caos me assento.
Piso a manhã caida no cimento
como flor violentada. Anjo maldito,

(pretendi devassar o nascimento
da terrível magia) agora hesito,
e queimo- e tudo é o desnoronamento
do mistério que sofro e necessito.

Hesito, é certo, mas aguardo o assombro
com que verei descer dos céus remotos
o raio que me fenderá no ombro.

Vinda a paz, rosa-após dos terremotos,
eu mesmo juntarei a estrela ou a pedra
que de mim reste sob os meus escombros.

Publicações relacionadas

A caridade A caridade (Augusto dos Anjos) No universo a caridade Em contraste ao vício ...
Saudação Saudação (Adélia Prado) Ave, Maria! Ave, carne florescida em Jesus. Ave, s...
Quando entre nós só havia uma ... Quando entre nós só havia uma carta (Ana Cristina Cesar) Quando entre nós só ...
Monja Monja (Cruz e Souza) Ó Lua, Lua triste, amargurada, Fantasma de b...

Deixe uma resposta