Sete poemas portugueses (6)

Print Friendly, PDF & Email

Sete poemas portugueses (6) (Ferreira Gullar)

Calco sob os pés sórdidos o mito
que os céus segura – e sobre um caos me assento.
Piso a manhã caida no cimento
como flor violentada. Anjo maldito,

(pretendi devassar o nascimento
da terrível magia) agora hesito,
e queimo- e tudo é o desnoronamento
do mistério que sofro e necessito.

Hesito, é certo, mas aguardo o assombro
com que verei descer dos céus remotos
o raio que me fenderá no ombro.

Vinda a paz, rosa-após dos terremotos,
eu mesmo juntarei a estrela ou a pedra
que de mim reste sob os meus escombros.

Publicações relacionadas

A esfinge sem segredo A esfinge sem segredo (Oscar Wilde) por Oscar Wilde UMA ÁGUA FORTE Acha...
Amor e Religião Amor e Religião (Augusto dos Anjos) Conheci-o: era um padre, um desses santos...
Citações Saint-Exupéry Citações Saint-Exupéry (Antoine de Saint-Exupéry) "Ah! o maravilhoso de uma c...
Poema Sujo – um fragment... Poema Sujo - um fragmento: "Velocidades" (Ferreira Gullar) Mas na cidade havi...

Deixe uma resposta