Só enquanto isso

Print Friendly, PDF & Email

Só enquanto isso (Mario Benedetti)

Do livro “Só enquanto isso”
Tradução de Julio Luís Gehlen

Você volta, dia de sempre,
rompendo o ar justamente onde
o ar tinha crescido feito muros.

Você porém nos ilumina brutalmente
e na simples náusea da sua claridade
sabemos quando nos cairão os olhos,
o coração, a pele das recordações.

Claro, enquanto isso
há frases, há pétalas, há rios,
há a ternura como um vento úmido.
Só enquanto isso.

Publicações relacionadas

Anseios Anseios (Florbela Espanca) Meu doido coração aonde vais, No teu imenso ansei...
Poema esquisito Poema esquisito (Adélia Prado) Dói-me a cabeça aos trinta e nove anos. Não ...
A vitória do espírito A vitória do espírito (Augusto dos Anjos) Era uma preta, funeral mesquita, A...
Apostrofe à Carne Apostrofe à Carne (Augusto dos Anjos) Quando eu pego nas carnes do meu rosto....

Deixe uma resposta