Só enquanto isso

Print Friendly, PDF & Email

Só enquanto isso (Mario Benedetti)

Do livro “Só enquanto isso”
Tradução de Julio Luís Gehlen

Você volta, dia de sempre,
rompendo o ar justamente onde
o ar tinha crescido feito muros.

Você porém nos ilumina brutalmente
e na simples náusea da sua claridade
sabemos quando nos cairão os olhos,
o coração, a pele das recordações.

Claro, enquanto isso
há frases, há pétalas, há rios,
há a ternura como um vento úmido.
Só enquanto isso.

Publicações relacionadas

Remorso póstumo Remorso póstumo/strong> (Charles Pierre Baudelaire) Tradução de Guilherme de...
O ter deveres, que prolixa coi... O ter deveres, que prolixa coisa! (Álvaro de Campos) O ter deveres, que proli...
Das coisas Das coisas (Paulo Leminski) que eu fiz a metro todos saberão quantos quilôm...
Saudade Saudade (Augusto dos Anjos) Hoje que a mágoa me apunhala o seio, E o coração...

Deixe uma resposta