Esta é minha casa

Print Friendly, PDF & Email

Esta é minha casa (Mario Benedetti)

Do livro “Perguntas ao acaso”
Tradução de Julio Luís Gehlen

Não tem dúvida
esta é a minha casa
aqui revivo
aqui aconteço
esta é minha casa parada
num capítulo do tempo

chega o outono e me defende
a primavera e me condena
meus pobres hóspedes riem
copulam dormem comem brincam

chega o inverno e me murcha
chega o verão e me renova
meus pobres hóspedes
saltam discutem dançam choram tremem

junto a minha casa param
os cachorros e os campanários
e mesmo assim as palmeiras
cumprimentam e passam

esta é minha casa transparente
aqui me espera o travesseiro
aqui me encontro com minhas senhas
com minha memória e meus alarmes

esta é minha casa com minha gente
com meus passados e minhas cosas
meus rabiscos e meu fogo
meus sobressaltos e minha sombra

não tem dúvida
esta é minha casa
reconheço-a
lentamente
pelos sabores na fumaça
e pelo tato nas paredes

por meu cansaço arrependido
e meus descansos inoportunos
a cerimônia das luzes
e o comentário das moscas

esta é minha casa ou minha região
ou o labirinto da minha pátria
porém eu gosto de repetir
não tem dúvida
esta é a minha casa.

Publicações relacionadas

Sete canções de declínio Sete canções de declínio (Mário de Sá Carneiro) 1 Um vago tom de opala ...
Senhora Dona Bahia Senhora Dona Bahia (Gregório de Matos) Senhora Dona Bahia, nobr...
A um poeta A um poeta (Antero de Quental) d...
Cantiga de Malazarte Cantiga de Malazarte (Murilo Mendes) Eu sou o olhar que penetra nas camadas d...

Deixe uma resposta