Passou a Diligência

Print Friendly, PDF & Email

Passou a Diligência (Alberto Caeiro)
De O Guardador de Rebanhos

Passou a diligência pela estrada, e foi-se;
E a estrada não ficou mais bela, nem sequer mais feia.
Assim é a ação humana pelo mundo fora.
Nada tiramos e nada pomos; passamos e esquecemos;
E o sol é sempre pontual todos os dias.

Publicações relacionadas

Siderações Siderações (Cruz e Souza) Para as Estrelas de cristais gelados As...
A fome e o amor A fome e o amor (Augusto dos Anjos) ...
A Esperança A Esperança (Augusto dos Anjos) A Esperança não murcha, ela não cansa, També...
Uma Amiga Uma Amiga (Antero de Quental) Aqueles que eu amei, nao sei que vento Os dis...

Deixe uma resposta