Passou a Diligência

Print Friendly, PDF & Email

Passou a Diligência (Alberto Caeiro)
De O Guardador de Rebanhos

Passou a diligência pela estrada, e foi-se;
E a estrada não ficou mais bela, nem sequer mais feia.
Assim é a ação humana pelo mundo fora.
Nada tiramos e nada pomos; passamos e esquecemos;
E o sol é sempre pontual todos os dias.

Publicações relacionadas

Cogitação Cogitação (Cruz e Souza) Ah! mas então tudo será baldado?! Tudo desfeito e t...
Plenilúnio Plenilúnio (Augusto dos Anjos) Desmaia o plenilúnio. A gaze pálida Que lhe ...
Oswald morto Oswald morto (Ferreira Gullar) Enterraram ontem em São Paulo um anjo antrpó...
Fora de si Fora de si (Arnaldo Antunes) eu fico louco eu fico fora de si eu fico ass...

Deixe uma resposta