Passou a Diligência

Print Friendly, PDF & Email

Passou a Diligência (Alberto Caeiro)
De O Guardador de Rebanhos

Passou a diligência pela estrada, e foi-se;
E a estrada não ficou mais bela, nem sequer mais feia.
Assim é a ação humana pelo mundo fora.
Nada tiramos e nada pomos; passamos e esquecemos;
E o sol é sempre pontual todos os dias.

Publicações relacionadas

Um Dia de Chuva Um Dia de Chuva (Alberto Caeiro) Um dia de chuva é tão belo como um dia de so...
Porquinho-da-Índia Porquinho-da-Índia (Manuel Bandeira) Quando eu tinha seis anos Ganhei um por...
Os poemas Os poemas (Mário Quintana) Os poemas são pássaros que chegam não se sabe de ...
Preceito 01 Preceito 01 (Gregório de Matos) Que de quilombos que tenho com mestres su...

Deixe uma resposta