Passou a Diligência

Print Friendly, PDF & Email

Passou a Diligência (Alberto Caeiro)
De O Guardador de Rebanhos

Passou a diligência pela estrada, e foi-se;
E a estrada não ficou mais bela, nem sequer mais feia.
Assim é a ação humana pelo mundo fora.
Nada tiramos e nada pomos; passamos e esquecemos;
E o sol é sempre pontual todos os dias.

Publicações relacionadas

Tu, Místico Tu, Místico (Alberto Caeiro) Tu, místico, vês uma significação em todas as ...
Muerto de amor Muerto de amor (Federico Garcia Lorca) A Margarita ...
No interminável No interminável (Paul Verlaine) No interminável Tédio da planície A neve, i...
Glória moribunda Glória moribunda (Álvares de Azevedo) ...

Deixe uma resposta