Antes o Vôo da Ave

Print Friendly, PDF & Email

Antes o Voo da Ave (Alberto Caeiro)
De O Guardador de Rebanhos

Antes o voo da ave, que passa e não deixa rasto,
Que a passagem do animal, que fica lembrada no chão.
A ave passa e esquece, e assim deve ser.
O animal, onde já não está e por isso de nada serve,
Mostra que já esteve, o que não serve para nada.
A recordação é uma traição à Natureza,
Porque a Natureza de ontem não é Natureza.
O que foi não é nada, e lembrar é não ver.
Passa, ave, passa, e ensina-me a passar!

Publicações relacionadas

Para onde fores, Pai, para ond... Para onde fores, Pai, para onde fores... (Augusto dos Anjos) Sonetos ...
Precisamos de você Precisamos de você (Bertold Brecht) Aprende - lê nos olhos, lê nos olhos - a...
Trezentos cules assassinados Trezentos cules assassinados (Bertold Brecht) Trezentos cules assassinados de...
Vítima do Dualismo Vítima do Dualismo (Augusto dos Anjos) Ser miserável dentre os miseráveis — ...

Deixe uma resposta