Monólogo de uma Senhora

Print Friendly, PDF & Email

Monólogo de uma Senhora (Augusto dos Anjos)

A Morte me livrou da contingência
A que a matéria bruta não escapa,
De ver meu rosto, etapa por etapa,
Murcho, mirrado, coriáceo, ausência.

O Anjo iníquo da degenerescência
Que azeda o vinho, a alma e a garapa,
E cobre o mundo com a negra capa,
Povoa a terra toda de excrescênclia.

Quando da vida me arrancou chorosa,
Deteve o bisturi da ruga odiosa,
E o triunfo rude da madrasta Hstória.

Liberta dessa carne miserável
Fico guardada bela, inalterável,
Nos Arcanos insondáveis da Memória.

Publicações relacionadas

Por entre o Beberibe, e o Ocea... Por entre o Beberibe, e o Oceano (Gregório de Matos) Por entre o Beberibe, e...
Lundu do Escritor Difícil Lundu do Escritor Difícil (Mário de Andrade) Eu sou um escritor difícil Que...
Na Guerra Muitas Coisas Cresce... Na Guerra Muitas Coisas Crescerão (Bertold Brecht) Ficarão maiores As proprie...
O poema do frade O poema do frade (Álvares de Azevedo) Fragmentos interligados Meu herói é ...

Deixe uma resposta