Monólogo de uma Senhora

Print Friendly, PDF & Email

Monólogo de uma Senhora (Augusto dos Anjos)

A Morte me livrou da contingência
A que a matéria bruta não escapa,
De ver meu rosto, etapa por etapa,
Murcho, mirrado, coriáceo, ausência.

O Anjo iníquo da degenerescência
Que azeda o vinho, a alma e a garapa,
E cobre o mundo com a negra capa,
Povoa a terra toda de excrescênclia.

Quando da vida me arrancou chorosa,
Deteve o bisturi da ruga odiosa,
E o triunfo rude da madrasta Hstória.

Liberta dessa carne miserável
Fico guardada bela, inalterável,
Nos Arcanos insondáveis da Memória.

Publicações relacionadas

Vaidade Vaidade (Florbela Espanca) A um grande poeta de Portugal Sonho que sou ...
Como Bem Sei Como Bem Sei (Bertold Brecht) Como bem sei Os impuros viajam para o inferno ...
No Claustro No Claustro (Augusto dos Anjos) Pelas do claustro salas silenciosas De lutul...
Canção da formosura Canção da formosura (Cruz e Souza) Vinho de sol ideal canta e cintila ...

Deixe uma resposta