Monólogo de uma Senhora

Print Friendly, PDF & Email

Monólogo de uma Senhora (Augusto dos Anjos)

A Morte me livrou da contingência
A que a matéria bruta não escapa,
De ver meu rosto, etapa por etapa,
Murcho, mirrado, coriáceo, ausência.

O Anjo iníquo da degenerescência
Que azeda o vinho, a alma e a garapa,
E cobre o mundo com a negra capa,
Povoa a terra toda de excrescênclia.

Quando da vida me arrancou chorosa,
Deteve o bisturi da ruga odiosa,
E o triunfo rude da madrasta Hstória.

Liberta dessa carne miserável
Fico guardada bela, inalterável,
Nos Arcanos insondáveis da Memória.

Publicações relacionadas

Vício na fala Vício na fala (Oswald de Andrade) Para dizerem milho dizem mio Para melhor...
Verdade, Mentira Verdade, Mentira (Alberto Caeiro) Verdade, mentira, certeza, incerteza... A...
Nada, esta espuma Nada, esta espuma (Ana Cristina Cesar) Por afrontamento do desejo insisto n...
De uma vez por todas De uma vez por todas (Thiago de Mello Por Carlos Heitor Cony Todas de uma vez....

Deixe uma resposta