A João de Deus

Print Friendly, PDF & Email

A João de Deus (Antero de Quental)

Se é lei, que rege o escuro pensamento,
Ser vã toda a pesquisa da verdade,
Em vez da luz achar a escuridade,
Ser uma queda nova cada invento;

É lei também, embora cru tormento,
Buscar, sempre buscar a claridade,
E só ter como certa realidade
O que nos mostra claro o entendimento.

O que há de a alma escolher, em tanto engano?
Se uma hora crê de fé, logo duvida;
Se procura, só acha… o desatino!

Só Deus pode acudir em tanto dano:
Esperemos a luz duma outra vida,
Seja a terra degrêdo, o céu destino.

Publicações relacionadas

Sinto Sinto (Federico Garcia Lorca) (1921)...
La poesia La poesia (Octavio Paz) Llegas, silenciosa, secreta, y despiertas los furor...
Los hombres Los hombres (Pablo Neruda) Como la copa de la arcilla era la raza mineral, ...
A Esmola de Dulce A Esmola de Dulce (Augusto dos Anjos) Ao Alfredo A. E todo o dia eu vou co...

Deixe uma resposta