Oceano Nox

Print Friendly, PDF & Email

Oceano Nox (Antero de Quental)

Junto do mar, que erguia gravemente
A trágica voz rouca, enquanto o vento
Passava como o vôo do pensamento
Que busca e hesita, inquieto e intermitente,

Junto do mar sentei-me tristemente,
Olhando o céu pesado e nevoento,
E interroguei, cismando, esse lamento
Que saía das coisas, vagamente…

Que inquieto desejo vos tortura,
Seres elementares, força obscura?
Em volta de que idéia gravitais?

Mas na imensa extensão, onde se esconde
O Inconsciente imortal, só me responde
Um bramido, um queixume, e nada mais…

Publicações relacionadas

Braços Braços (Cruz e Souza) Braços nervosos, brancas opulências, Brumai...
Distâncias mínimas Distâncias mínimas (Paulo Leminski) um texto morcego se guia por ecos ...
Pardalzinho Pardalzinho (Manuel Bandeira) O pardalzinho nasceu Livre. Quebraram-lhe a as...
No meu peito arde em chamas ab... No meu peito arde em chamas abrasada (Augusto dos Anjos) Soneto No meu pei...

Deixe uma resposta