Oceano Nox

Print Friendly, PDF & Email

Oceano Nox (Antero de Quental)

Junto do mar, que erguia gravemente
A trágica voz rouca, enquanto o vento
Passava como o vôo do pensamento
Que busca e hesita, inquieto e intermitente,

Junto do mar sentei-me tristemente,
Olhando o céu pesado e nevoento,
E interroguei, cismando, esse lamento
Que saía das coisas, vagamente…

Que inquieto desejo vos tortura,
Seres elementares, força obscura?
Em volta de que idéia gravitais?

Mas na imensa extensão, onde se esconde
O Inconsciente imortal, só me responde
Um bramido, um queixume, e nada mais…

Publicações relacionadas

El Suicida El Suicida (Jorge Luis Borges) No quedará en la noche una estrella. No qued...
Uma cidade tão nobre Uma cidade tão nobre (Gregório de Matos) Uma cidade tão nobre, ...
Sete poemas portugueses (4) Sete poemas portugueses (4) (Ferreira Gullar) Nada vos oferto além destas m...
A Dança da Psiquê A Dança da Psiquê (Augusto dos Anjos) A dança dos encéfalos acesos Começa. A...

Deixe uma resposta