Oceano Nox

Print Friendly, PDF & Email

Oceano Nox (Antero de Quental)

Junto do mar, que erguia gravemente
A trágica voz rouca, enquanto o vento
Passava como o vôo do pensamento
Que busca e hesita, inquieto e intermitente,

Junto do mar sentei-me tristemente,
Olhando o céu pesado e nevoento,
E interroguei, cismando, esse lamento
Que saía das coisas, vagamente…

Que inquieto desejo vos tortura,
Seres elementares, força obscura?
Em volta de que idéia gravitais?

Mas na imensa extensão, onde se esconde
O Inconsciente imortal, só me responde
Um bramido, um queixume, e nada mais…

Publicações relacionadas

Esta é minha casa Esta é minha casa (Mario Benedetti) Do livro...
Prodígio! Prodígio! (Cruz e Souza) Como o Rei Lear não sentes a tormenta Que te desaba...
A vida anterior A vida anterior (Charles Pierre Baudelaire) Tradução de Guilherme de Almeida...
O poema do frade O poema do frade (Álvares de Azevedo) Fragmentos interligados Meu herói é ...

Deixe uma resposta