Módulo de verão

Print Friendly, PDF & Email

Módulo de verão (Adélia Prado)

As cigarras começaram de novo, brutas e brutas.
N’em um pouco delicadas as cigarras são.
Esguicham atarrachadas nos troncos
o vidro moído de seus peitos, todo ele
— chamado canto — cinzento-seco, garra
de pêlo e arame, um áspero metal.

As cigarras têm cabeça de noiva,
as asas como véu, translúcidas.

As cigarras têm o que fazer,
têm olhos perdoáveis.
Quem não quis junto deles uma agulha?
— Filhinho meu, vem comer;
ó meu amor, vem dormir
Que noite tão clara e quente,
ó vida tão breve e boa!
A cigarra atrela as patas
é no meu coração.
O que ela fica gritando eu não entendo,
sei que é pura esperança.

Publicações relacionadas

Yo voy soñando caminos Yo voy soñando caminos (Antonio Machado) Yo voy soñando caminos de la tarde...
Tu, Místico Tu, Místico (Alberto Caeiro) Tu, místico, vês uma significação em todas as ...
Consulta Consulta (Antero de Quental) de ...
Pero Vaz de Caminha Pero Vaz de Caminha (Oswald de Andrade) a descoberta Seguimos nosso caminho ...

Deixe uma resposta