Dobrada à moda do porto

Print Friendly, PDF & Email

Dobrada à moda do porto (Álvaro de Campos)

Um dia, num restaurante, fora do espaço e do tempo,

Serviram-me o amor como dobrada fria.

Disse delicadamente ao missionário da cozinha

Que a preferia quente,

Que a dobrada (e era à moda do Porto) nunca se come fria.

Impacientaram-se comigo.

Nunca se pode ter razão, nem num restaurante.

Não comi, não pedi outra coisa, paguei a conta,

E vim passear para toda a rua.

Quem sabe o que isto quer dizer?

Eu não sei, e foi comigo…

(Sei muito bem que na infância de toda a gente houve um jardim

Particular ou público, ou do vizinho.

Sei muito bem que brincarmos era o dono dele.

E que a tristeza é de hoje).

Sei isso muitas vezes,

Mas, se eu pedi amor, porque é que me trouxeram

Dobrada à moda do Porto fria?

Não é prato que se possa comer frio.

Não me queixei, mas estava frio,

Nunca se pode comer frio, mas veio frio.

Publicações relacionadas

Às vezes entre a tormenta Às vezes entre a tormenta (Fernando Pessoa) Às vezes entre a tormenta, quan...
O Martírio do Artista O Martírio do Artista (Augusto dos Anjos) Olha agora, mamífero inferior, A ...
Em pé Em pé (Mario Benedetti) Do livro "Inventário"...
O Oceano O Oceano (George Gordon Byron) (Tradução de Castro Alves) Rola, Oceano pro...

Deixe uma resposta