Meninos carvoeiros

Print Friendly, PDF & Email

Meninos carvoeiros (Manuel Bandeira)

Os meninos carvoeiros
Passam a caminho da cidade.
— Eh, carvoero!
E vão tocando os animais com um relho enorme.

Os burros são magrinhos e velhos.
Cada um leva seis sacos de carvão de lenha.
A aniagem é toda remendada.
Os carvões caem.

(Pela boca da noite vem uma velhinha que os recolhe, dobrando-se com um gemido.)

— Eh, carvoero!

Só mesmo estas crianças raquíticas
Vão bem com estes burrinhos descadeirados.
A madrugada ingênua parece feita para eles . . .
Pequenina, ingênua miséria!
Adoráveis carvoeirinhos que trabalhais como se brincásseis!

—Eh, carvoero!

Indo voltam, vêm mordendo num pão encarvoado,
Encarapitados nas alimárias,
Apostando corrida,
Dançando, bamboleando nas cangalhas como espantalhos desamparados.

Petrópolis, 1921

Publicações relacionadas

Eu Nunca Guardei Rebanhos Eu Nunca Guardei Rebanhos (Alberto Caeiro) ...
Solilóquio de um Visionário Solilóquio de um Visionário (Augusto dos Anjos) Para desvirginar o labirinto ...
El alba denominadora El alba denominadora (Rafael Alberti) A embestidas suaves y rosas, la mad...
Oswald morto Oswald morto (Ferreira Gullar) Enterraram ontem em São Paulo um anjo antrpó...

Deixe uma resposta