Bilhete

Print Friendly, PDF & Email

Bilhete (Mário Quintana)

Se eu fosse um padre, eu, nos meus sermões,
não falaria em Deus nem no Pecado
– muito menos no Anjo Rebelado
e os encantos das suas seduções,

não citaria santos e profetas:
nada das suas celestiais promessas
ou das suas terríveis maldições…
Se eu fosse um padre eu citaria os poetas,

Rezaria seus versos, os mais belos,
desses que desde a infância me embalaram
e quem me dera que alguns fossem meus!

Porque a poesia purifica a alma
… a um belo poema – ainda que de Deus se aparte –
um belo poema sempre leva a Deus!

Publicações relacionadas

Alucinação Alucinação (Cruz e Souza) Ó solidão do Mar, ó amargor das vagas, Ondas em co...
Aurora Aurora (Adolfo Casais Monteiro) A poesia não é voz - é uma inflexão. Dizer,...
Azul sobre amarelo, maravilha ... Azul sobre amarelo, maravilha e roxo (Adélia Prado) Desejo, como quem sente f...
Pensão familiar Pensão familiar (Manuel Bandeira) Jardim da pensãozinha burguesa. Gatos espa...

Deixe uma resposta