Os deslimites da palavra

Print Friendly, PDF & Email

Os deslimites da palavra (Manoel de Barros)

Ando muito completo de vazios.
Meu órgão de morrer me predomina.
Estou sem eternidades.

Não posso mais saber quando amanheço ontem.
Está rengo de mim o amanhecer.
Ouço o tamanho oblíquo de uma folha.

Atrás do ocaso fervem os insetos.
Enfiei o que pude dentro de um grilo o meu
destino.

Essas coisas me mudam para cisco.
A minha independência tem algemas

Publicações relacionadas

Porquinho-da-Índia Porquinho-da-Índia (Manuel Bandeira) Quando eu tinha seis anos Ganhei um por...
Caput Immortale Caput Immortale (Augusto dos Anjos) Na dinâmica aziaga das descidas, Aglomer...
As tuas mãos terminam em segre... As tuas mãos terminam em segredo (Fernando Pessoa) As tuas mãos terminam em ...
Pepa Pepa (Antero de Quental) Dá-me pois olhos e lábios; Da-me os seios, da-me o...

Deixe uma resposta