Ultima visão

Print Friendly, PDF & Email

Ultima visão (Augusto dos Anjos)

Quando o homem resgatado da cegueira
Vir Deus num simples grão de argila errante,
Terá nascido nesse mesmo instante
A mineralogia derradeira!

A impérvia escuridão obnubilante
Há de cessar! Em sua glória inteira
Deus resplandecerá dentro da poeira
Como um gasofiláceo de diamante!

Nessa última visão já subterrânea,
Um movimento universal de insânia
Arrancará da insciência o homem precito…

A Verdade virá das pedras mortas
E o homem compreenderá todas as portas
Que ele ainda tem de abrir para o Infinito!

Publicações relacionadas

Grande desejo Grande desejo (Adélia Prado) Não sou matrona, mãe dos Gracos, Cornélia, sou...
Dança do ventre Dança do ventre (Cruz e Souza) Torva, febril, torcicolosamente, N...
Poema começado no fim Poema começado no fim (Adélia Prado) Um corpo quer outro corpo. Uma alma que...
Saudação Saudação (Adélia Prado) Ave, Maria! Ave, carne florescida em Jesus. Ave, s...

Deixe uma resposta