Ultimo Credo

Print Friendly, PDF & Email

Ultimo Credo (Augusto dos Anjos)

Como ama o homem adúltero o adultério
E o ébrio a garrafa tóxica de rum,
Amo o coveiro este ladrão comum
Que arrasta a gente para o cemitério!

É o transcendentalíssimo mistério!
É o nous, é o pneuma, é o ego sum qui sum,
É a morte, é esse danado número Um,
Que matou Cristo e que matou Tibério.

Creio como o filósofo mais crente,
Na generalidade decrescente
Com que a substância cósmica evolue…

Creio, perante a evolução imensa,
Que o homem universal de amanhã vença
O homem particular que eu ontem fui!

Publicações relacionadas

Costernados, raivosos Costernados, raivosos (Mario Benedetti) Do livr...
Veinte poemas de amor y una ca... Veinte poemas de amor y una canción desesperada - 20 (Pablo Neruda) Puedo esc...
Poética Poética (Manuel Bandeira) Estou farto do lirismo comedido Do lirismo bem com...
Nada me demove Nada me demove (Paulo Leminski) nada me demove ainda vou ser o pai dos ...

Deixe uma resposta