Eterna Mágoa

Print Friendly, PDF & Email

Eterna Mágoa (Augusto dos Anjos)

O homem por sobre quem caiu a praga
Da tristeza do Mundo, o homem que é triste
Para todos os séculos existe
E nunca mais o seu pesar se apaga!

Não crê em nada, pois, nada há que traga
Consolo à Mágoa, a que só ele assiste.
Quer resistir, e quanto mais resiste
Mais se lhe aumenta e se lhe afunda a chaga.

Sabe que sofre, mas o que não sabe
E que essa mágoa infinda assim não cabe
Na sua vida, é que essa mágoa infinda

Transpõe a vida do seu corpo inerme;
E quando esse homem se transforma em verme
É essa mágoa que o acompanha ainda!

Engenho Pau d’Arco – 14 de dezembro de 1901.

Publicações relacionadas

O Caixão Fantástico O Caixão Fantástico (Augusto dos Anjos) Célere ia o caixão, e, nele, inclusas...
O Sarcófago O Sarcófago (Augusto dos Anjos) Senhor da alta hermenêutica do Fado Perlustr...
Uma Amiga Uma Amiga (Antero de Quental) Aqueles que eu amei, nao sei que vento Os dis...
A uma que lhe chamou pica-flor A uma que lhe chamou pica-flor (Gregório de Matos) Se Pica-flor me chamais P...

Deixe uma resposta