Gênio das trevas lúgubres, acolhe-me

Print Friendly, PDF & Email

Gênio das trevas lúgubres, acolhe-me (Augusto dos Anjos)

Soneto

Gênio das trevas lúgubres, acolhe-me,
Leva-me o esp’rito dessa luz que mata,
E a alma me ofusca e o peito me maltrata,
E o viver calmo e sossegado tolhe-me!

Leva-me, obumbra-me em teu seio, acolhe-me
N’asa da Morte redentora, e à ingrata
Luz deste mundo em breve me arrebata
E num pallium de tênebras recolhe-me!

Aqui há muita luz e muita aurora,
Há perfumes d’amor – venenos d’alma –
E eu busco a plaga onde o repouso mora,

E as trevas moram, e, onde d’água raso
O olhar não trago, nem me turba a calma
A aurora deste amor que é o meu ocaso!
Engenho Pau d’Arco – 14 de dezembro de 1901.

Publicações relacionadas

Poema com absorvências Poema com absorvências (Adélia Prado) Poema com absorvências no totalmeute p...
Os bilhetes por favor Os bilhetes por favor (David Hebert Lawrence) Há no centro da Inglat...
Vive dentro de mim Vive dentro de mim (Cora Coralina) Vive dentro de mim uma cabocla velha de ...
Primeiros anos Primeiros anos (Ferreira Gullar) Para uma vida de merda nasci em 1930 na ...

Deixe uma resposta