Gênio das trevas lúgubres, acolhe-me

Print Friendly, PDF & Email

Gênio das trevas lúgubres, acolhe-me (Augusto dos Anjos)

Soneto

Gênio das trevas lúgubres, acolhe-me,
Leva-me o esp’rito dessa luz que mata,
E a alma me ofusca e o peito me maltrata,
E o viver calmo e sossegado tolhe-me!

Leva-me, obumbra-me em teu seio, acolhe-me
N’asa da Morte redentora, e à ingrata
Luz deste mundo em breve me arrebata
E num pallium de tênebras recolhe-me!

Aqui há muita luz e muita aurora,
Há perfumes d’amor – venenos d’alma –
E eu busco a plaga onde o repouso mora,

E as trevas moram, e, onde d’água raso
O olhar não trago, nem me turba a calma
A aurora deste amor que é o meu ocaso!
Engenho Pau d’Arco – 14 de dezembro de 1901.

Publicações relacionadas

Saudades Saudades (Florbela Espanca) Do Livro de Soror Sa...
Andei léguas de sombra Andei léguas de sombra (Fernando Pessoa) Andei léguas de sombra Dentro em...
Os sapos Os sapos (Manuel Bandeira) Enfunando os papos, Saem da penumbra, Aos pulos...
Cabra Marcado para Morrer Cabra Marcado para Morrer (Ferreira Gullar) Essa guerra do Nordeste não mata...

Deixe uma resposta