Gênio das trevas lúgubres, acolhe-me

Print Friendly, PDF & Email

Gênio das trevas lúgubres, acolhe-me (Augusto dos Anjos)

Soneto

Gênio das trevas lúgubres, acolhe-me,
Leva-me o esp’rito dessa luz que mata,
E a alma me ofusca e o peito me maltrata,
E o viver calmo e sossegado tolhe-me!

Leva-me, obumbra-me em teu seio, acolhe-me
N’asa da Morte redentora, e à ingrata
Luz deste mundo em breve me arrebata
E num pallium de tênebras recolhe-me!

Aqui há muita luz e muita aurora,
Há perfumes d’amor – venenos d’alma –
E eu busco a plaga onde o repouso mora,

E as trevas moram, e, onde d’água raso
O olhar não trago, nem me turba a calma
A aurora deste amor que é o meu ocaso!
Engenho Pau d’Arco – 14 de dezembro de 1901.

Publicações relacionadas

Canção da Parada do Lucas Canção da Parada do Lucas (Manuel Bandeira) Parada do Lucas — O trem não par...
O Último poema O Último poema (Manuel Bandeira) Assim eu quereria o meu último poema Que f...
Leituras machadianas Leituras machadianas(Machado de Assis) ...
A esfinge sem segredo A esfinge sem segredo (Oscar Wilde) por Oscar Wilde UMA ÁGUA FORTE Acha...

Deixe uma resposta